Banca & Finanças Santander acorda com sindicatos redução de 17% dos serviços centrais em Espanha

Santander acorda com sindicatos redução de 17% dos serviços centrais em Espanha

São cerca de 1.100 saídas as que estão programadas nos serviços centrais do Santander após a integração do Popular em Espanha. O número configura uma redução face às primeiras indicações. A integração ainda não chegou a Portugal.
Santander acorda com sindicatos redução de 17% dos serviços centrais em Espanha
Reuters
Diogo Cavaleiro 06 de dezembro de 2017 às 09:19

O espanhol Santander e os sindicatos chegaram a um princípio de acordo para a redução de pessoal nos serviços centrais na sequência da compra do Banco Popular, segundo dá conta a imprensa espanhola. O acordo definitivo será assinado na próxima semana, dia 12.

 

Serão 1.100 funcinários a abandonar os postos de trabalho previstos no âmbito do chamado ERE (Expediente de Regulación de Empleo), uma espécie de despedimento colectivo no enquadramento legal espanhol. Segundo os dados da imprensa, o número corresponde a 17% daqueles serviços centrais, cujo quadro chega aos 7.000 trabalhadores.

 

No entendimento a que chegaram o banco presidido por Ana Botín (na foto) e as unidades sindicais, haverá ainda a realocação de funcionários que actualmente trabalhavam nos serviços centrais dos dois bancos e que irão para empresas do grupo bancário ou para a rede comercial.

 

As saídas agora estimativas são mais baixas do que as 1.200 que se falavam até aqui e bastante abaixo da redução de 1.585 postos inicialmente prevista. Em causa estarão, sobretudo, pré-reformas ou rescisões por mútuo acordo. O Expansión escreve que a compensação para os funcionários com idade entre 50 e 55 anos será de 80% do salário de oito anos até um limite de 380 mil euros. Já no caso dos trabalhadores abaixo dos 50 anos, a indemnização é de 40 dias por ano trabalhado num máximo de 24 meses de salário, a que podem acrescer ainda prémios de antiguidade.

 

O Santander contratou ainda uma empresa para procurar emprego para os funcionários afectados pela redução de pessoal que tem como razão principal a compra, por 1 euro, do Banco Popular em Junho passado, na sequência de uma medida de resolução aplicada à instituição financeira.

 

Em Portugal, está ainda por autorizar, pelas autoridades de supervisão, a integração do Popular Portugal no Santander Totta, já que o primeiro está ainda no balanço do Santander espanhol. No projecto de fusão, noticiado pelo Negócios em Setembro, o banco presidido por António Vieira Monteiro admitia "racionalização" dos trabalhadores após a integração, promovendo "a reestruturação e a integração de equipas". "Estamos sempre disponíveis para negociar saída", disse já o líder do banco de direito português e capitais espanhóis. 

 

Mesmo antes da integração efectiva, a equipa de gestão do Popular, liderada por Carlos Álvares, saiu de funções e foi substituída pelos executivos do Totta, com Vieira Monteiro na presidência.




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 4 dias

"Japan's banks plan 33,000 job cuts in digital downsizing" https://www.finextra.com/newsarticle/31267/japans-banks-plan-33000-job-cuts-in-digital-downsizing

comentários mais recentes
Anónimo Há 4 dias

Os colaboradores cujo posto de trabalho já não se justifica, quer seja na banca, na administração pública ou noutro sector qualquer, já foram remunerados acima do seu preço de mercado durante muito tempo, e por isso o Estado, a economia e a sociedade nada lhes deve. Antes pelo contrário, os colaboradores nessa situação são devedores de uma dívida colossal ao Estado, à economia e à sociedade, que se avoluma a cada dia que passa sem que sejam despedidos.

Anónimo Há 4 dias

"We have to find new ways of employing people and maybe people need to find new ways of spending their time... The truthful answer is we won’t need as many people." - John Cryan www.businessinsider.com/deutsche-bank-ceo-cryan-robots-and-banking-jobs-2017-9

Anónimo Há 4 dias

"Disappearing bank jobs won't be coming back: Nordea CEO" www.businesstimes.com.sg/banking-finance/disappearing-bank-jobs-wont-be-coming-back-nordea-ceo

Anónimo Há 4 dias

"Japan's banks plan 33,000 job cuts in digital downsizing" https://www.finextra.com/newsarticle/31267/japans-banks-plan-33000-job-cuts-in-digital-downsizing

ver mais comentários
pub