Banca & Finanças Santander, BBVA e Popular criam "banco mau" para imobiliário em Espanha

Santander, BBVA e Popular criam "banco mau" para imobiliário em Espanha

A notícia é avançada pelo El Confidencial, que cita cinco fontes conhecedoras do processo. O objectivo é transferir activos imobiliários para um veículo que venha a ser colocado no mercado.
Santander, BBVA e Popular criam "banco mau" para imobiliário em Espanha
Paulo Zacarias Gomes 17 de Novembro de 2016 às 13:08

Os bancos Santander, Popular e BBVA estão a preparar em Espanha a transferência de activos imobiliários, nomeadamente terrenos, que pesam negativamente nos seus balanços para um veículo de grandes dimensões que os acomode e mais tarde venha a reduzir a exposição da banca.


De acordo com o El Confidencial – que avança a notícia esta quinta-feira, 17 de Novembro, citando cinco fontes não identificadas – três das maiores instituições de crédito do país vizinho deverão aproveitar o que resta do fundo imobiliário Metrovacesa para estabelecer este "banco mau".


A transferência destes activos está em fase de análise e ainda pendente de um acordo entre as entidades, nomeadamente em relação à avaliação dos imóveis a incorporar e à participação que cada banco deterá no novo veículo. O objectivo é, posteriormente, colocar o veículo no mercado, permitindo ir reduzindo a presença das instituições financeiras no seu capital à medida que surjam novos investidores.


Esta será, segundo aquele meio, uma resposta a novas orientações do Banco de Espanha, que obriga todos os bancos a reavaliar os seus activos imobiliários e a constituir provisões em relação àqueles que são considerados problemáticos. Cada uma destas transferências para o veículo funcionaria como uma venda, ajudando a cumprir os objectivos anuais de alienação colocados pelo regulador financeiro: 15% dos terrenos, 20% dos escritórios e 25% das casas.  


Tanto o Santander como o BBVA já têm um acordo semelhante ao que está a ser negociado, que foi concluído em Junho com a empresa imobiliária Testa (comprada entretanto pela Merlin). No âmbito desse entendimento, transferirão para aquela empresa cinco mil casas para aluguer até ao final do ano. No total, ambas as instituições prevêem remeter para esta sociedade entre 6.500 e 8.500 imóveis hoje registados nos seus balanços.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 dias

É a diferença entre Rajoy e Passos, o primeiro recebeu 100 mil milhões para a Banca e tratou do que tinha de ser feito e agora só nesta fase o verdadeiro lixo é tratado como tal... por cá receberam 78 mil milhões e gastaram-no em pareceres e especialistas e nós pagamos o festim com cortes...

lAVRADOR Há 2 semanas

Assim é fácil, manda-se o lixo para baixo do tapete e arranja-se mais uma medida para esconder a realidade. Entretanto, criam-se novas imparidades, mais ilusões, que mais tarde vão de novo para um banco mau e assim, paga sempre o contribuinte! Bons gestores, irra!

Anónimo Há 2 semanas

COFINA: SUPER ATRATIVA AO PREÇO ATUAL:
Com 3,6 M€ de lucros nos 9M2016, que dá 4,8 M€ estimados para o final do ano, corresponde a 0,0468 de lucro anual por cada uma das 102,56 milhões de açoes, ou seja um PER=5,51 (0,258 cotação de ontem/0,0468).Super barata! E,muito perto do mínimo anual (0,242).

pub