Banca & Finanças Santander negoceia venda de carteira imobiliária do Popular à Blackstone

Santander negoceia venda de carteira imobiliária do Popular à Blackstone

A instituição liderada por Ana Botín entende que tem uma exposição elevada ao segmento imobiliário e quer, por isso, desfazer-se de uma parte. O banco está assim a negociar a venda de uma participação maioritária da carteira de imobiliário do Banco Popular.
Santander negoceia venda de carteira imobiliária do Popular à Blackstone
Reuters
Negócios 31 de julho de 2017 às 12:55

O Santander considera que tem uma exposição elevada ao sector imobiliário e elegeu como prioridade diminuir essa carteira. O banco está assim a negociar com os americanos da Blackstone para vender uma participação maioritária (51%) na carteira imobiliária do Popular, depois de a oferta deste fundo ter suplantando as propostas apresentadas pela Apollo e pela Lone Star, avança o jornal espanhol Expansión.

O banco liderado por Ana Botín (na foto) comprou o Banco Popular por um euro no início de Junho. E não é propriamente novidade que o grupo bancário liderado por Ana Botín pretendia vender activos imobiliários do Popular, porque, no início deste mês, foi noticiado que o Santander pretendia arrecadar 5 mil milhões de euros com uma parceria em que fiquem alojados os activos imobiliários que pertenciam ao Popular.

Em comunicado enviado ao regulador do mercado espanhol de capitais, o Popular indicou hoje, citado pelo jornal, que "tem recebido nos últimos dias ofertas vinculativas distintas de vários investidores interessados na compra de participação maioritária do conjunto de activos adjudicados e de crédito duvidoso, derivados principalmente do financiamento de actividades imobiliárias".

No comunicado é ainda esclarecido que, após o cumprimento das restrições em matéria de concorrência derivadas da compra do Popular, "foi concedido um período de exclusividade à Blackstone para a continuação das negociações".

Segundo o Expansión, o director executivo do Santander, José Antonio Álvarez, deu a entender, durante a última apresentação de resultados, que era provável que o grupo cedesse o controlo sobre a carteira de imobiliário de uma forma rápida e em bloco. Apesar de reconhecer que poderia ser mais vantajoso alienar esta carteira no futuro, aquando de uma recuperação deste mercado, o responsável reconheceu que o Santander prefere receber menos e alienar mais rapidamente estes activos.

"É possível que deixemos algum dinheiro na mesa, mas a nossa exposição imobiliária é demasiado alta. Se for possível, queremos reduzi-la muito rapidamente", afirmou, citado pelo jornal. "A opção que considero mais provável é a venda de 51% da carteira. Estou confiante que poderemos vender os activos [a preços] ao nível de mercado ou mesmo por um valor acima", acrescentou. O valor líquido da carteira imobiliária do Popular é de 9.700 milhões depois dos ajustes aplicados pelo Santander, escreve o jornal.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub