Banca & Finanças Santander pode cortar 3 mil empregos após compra do Popular

Santander pode cortar 3 mil empregos após compra do Popular

O jornal Expansión noticia que o banco espanhol vai avançar com uma oferta de rescisões voluntárias e reformas antecipadas.
Santander pode cortar 3 mil empregos após compra do Popular
Reuters
Negócios 09 de junho de 2017 às 07:56

O Banco Santander pretende eliminar 3 mil postos de trabalho na sequência da aquisição do Popular, de acordo com o jornal Expansión.

 

Os cortes serão implementados sobretudo nas posições e serviços que o banco tiver em duplicado, bem como na eliminação de balcões. Segundo o jornal espanhol, o objectivo do Santander passa por reduzir os custos do Popular em 33%.

 

O banco espanhol vai avançar com uma oferta de rescisões voluntárias e reformas antecipadas.

Este programa de corte de custos poderá também ter implicações em Portugal, que é o segundo mercado do Popular e onde o Santander marca forte presença.

 

Em Portugal, o Popular tem perto de 900 funcionários, que se juntam aos 6.167 que o Totta tinha no fecho de 2016.

 

Este corte de empregos era já expectável. Tanto Rui Riso, do Sindicato dos Bancários do Sul, como Paulo Marcos, do Sindicato dos Quadros e Técnicos Bancários, assinalaram ao Negócios que o emagrecimento de pessoal pode vir a acontecer num curto espaço de tempo.

 

Em Espanha o Popular emprega 12 mil funcionários.


A sua opinião20
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 2 semanas

Esta velhota é que é a resgatante do banco falido que o mercado não quer nem precisa? Muito melhor do que fizeram em Portugal, mas em Portugal não existem empresas da envergadura de um Santander, organização muito bem estruturada pois está assente sobre os princípios de gestão lean onde a boa gestão de recursos humanos não é descurada. Perguntem ao Horta Osório, o mata sindicalistas, terror dos excedentários da banca por esse mundo fora.

comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

"We will gradually enter a time where having a lifetime employment based on tasks that are not justified will be less and less sustainable - we're actually already there." - Emmanuel Macron www.msn.com/en-gb/video/other/french-civil-servants-no-more-jobs-for-life/vi-AAeGlDD

Marta, voltaste! Há 2 semanas

Marta Guimaraes, meu caro camaleão!

Voltaste para mandar calar quem discorda do pensamento único da geringonça! Democracia para que se temos a geringonça já? É mudar a constituição, suspender a democracia, só permitir partidos de esquerda!
Ai Marta, meu querido camaleão comunista, já te topamos

Marta Guimaraes Há 2 semanas

Ó surpreso!
Cala a boca retornado ressabiado. Para lixo já chega o que escreves todos os dias no Observador com o nick victor guerra.

Anónimo Há 2 semanas

Quem vai ser corrido vão ser os do Popular e a começar pelos Directores.
Quanto à gestão de recursos humanos todos sabemos que se deitam fora os bons e ficam os engraxadores que não fazem nenhum.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub