Banca & Finanças Santander pretende vender parte dos activos imobiliários do Popular por 5 mil milhões

Santander pretende vender parte dos activos imobiliários do Popular por 5 mil milhões

Segundo a Bloomberg, o Santander está a vender uma posição de 51% numa parceria para a gestão dos imóveis do Popular, banco que comprou por 1 euro na medida de resolução. Apollo, Blackstone e Lone Star, compradora do Novo Banco, estão na corrida.
Santander pretende vender parte dos activos imobiliários do Popular por 5 mil milhões
Reuters
Diogo Cavaleiro 06 de julho de 2017 às 13:54

O Santander procura encaixar 5 mil milhões de euros numa parceria em que fiquem alojados os activos imobiliários que pertenciam ao Popular, banco que comprou a 1 euro no âmbito de uma medida de resolução.

 

Segundo noticia a agência Bloomberg, com base em três fontes anónimas próximas do tema, o objectivo é criar uma parceria em que um investidor externo detenha 51% e o banco espanhol os restantes 49%. Aí estarão activos imobiliários e outros activos comprados ao Popular, avaliados em 30 mil milhões de euros.

 

Já há, de acordo com a mesma notícia, uma lista de entidades finalistas para serem as parceiras da instituição financeira sob o comando de Ana Botín: a Blackstone, a Apollo (dona da Tranquilidade) e a Lone Star (que está em processo de aquisição do Novo Banco). Todas estas entidades são gestoras de fundos de "private equity", ou seja, capital de risco, que investem em empresas em situações desequilibradas para recuperá-las e daí obter retorno. 

 

Um dos pesos que o Popular enfrentava nos últimos meses era, precisamente, o do imobiliário e o receio do seu impacto no balanço da instituição financeira. Foi, aliás, um dos motivos para a queda abrupta que o banco protagonizou na bolsa madrilena em 2017.

 

A 7 de Junho, após uma fuga de depósitos decorrente de todas as notícias em torno do banco, o Popular foi alvo de uma medida de resolução, impondo perdas aos accionistas e credores subordinados, sendo vendido por um euro ao Santander.

 

Para financiar a absorção do Popular, o Santander, presente em Portugal através do Santander Totta (após a compra do Banif), promoveu um aumento de capital de 7 mil milhões de euros, que está em curso e que se estende até 27 de Julho. Na área imobiliária, o banco quis fazer provisões adicionais, na ordem dos 7,2 mil milhões de euros, para conseguir reduzir mais rapidamente a exposição ao ramo. 




A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

Os 3 comentários denotam bem que a generalidade dos portugueses não percebem nada de bancos nem aprofundam temas antes de comentar...
Para o diamante...sabes quanto custa opar a 3€ o BCP, faz as contas...
para o ;-), esqueceu 15 MM€ que teve de injectar (somas (-)1€ (-)15MM(+)5MM=-10MM€

Água Ráz Há 3 semanas

Pois mas não se esqueçam que o Santander teve de fazer um aumento de capital de 7 mil milhões

Anónimo Há 3 semanas

nossa eu realmente fiquei imprecionado...http://negocioespetacular.com

depois de um banco falido um DIAMANTE Há 3 semanas

Santana lopes depois de opar um banco falido a um euro por ação prepara - se AGORA para lançar uma opa ao diamante do psi20 a 3 EUROS POR AÇÃO O MILENIUM BCP

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub