Banca & Finanças Santander Totta aumenta lucros em 13% para 331,9 milhões

Santander Totta aumenta lucros em 13% para 331,9 milhões

O terceiro trimestre do Santander Totta foi de lucros. Mesmo assim, a margem financeira deslizou. Os resultados foram ajudados pela descida para metade das imparidades.
Santander Totta aumenta lucros em 13% para 331,9 milhões
Miguel Baltazar
Diogo Cavaleiro 02 de novembro de 2017 às 12:29

O Santander Totta registou um lucro de 331,9 milhões de euros nos primeiros nove meses do ano. Entre Janeiro e Setembro do ano passado, o banco de capitais espanhóis obtivera um resultado líquido de 293,7 milhões de euros. Um aumento homólogo de 13%. 

 

A margem financeira do banco presidido por António Vieira Monteiro (diferença entre os juros cobrados em créditos e juros pagos em depósitos, que serve de base ao negócio bancário) deslizou 6% para 515,8 milhões de euros, segundo os resultados apresentados em conferência de imprensa esta quinta-feira, 2 de Novembro.  

 

Os resultados em operações financeiras registaram ganhos 8,3% inferiores aos do período homólogo. Segundo explicou o administrador com o pelouro financeiro, Manuel Preto, a queda da margem e destes resultados foi provada "pelo reajustamento da carteira de dívida pública".

 

As comissões cobradas aos clientes avançaram 4,7% para 248,9 milhões de euros, ainda assim não conseguiram compensar as descidas na margem. Ao todo, o produto bancário, composto por todas estas rubricas, caiu 4,6% para 858 milhões de euros.

 

De qualquer forma, os custos operacionais recorrentes também cederam 7,3% para 391,8 milhões de euros, sobretudo devido ao "controlo apertado de custos em termos de gastos gerais", de acordo com Manuel Preto. Não é revelada a rubrica de custos operacionais totais, apenas os recorrentes. 

 

Assim, os resultados de exploração do Santander Totta caíram 2,2% para 466,2 milhões de euros. A folga que permitiu o aumento dos lucros nos primeiros nove meses do ano passou pela rubrica de imparidades e provisões líquidas: uma quebra de 53% para 32 milhões de euros. 

 

O balanço do banco sofreu uma subida do crédito concedido, mas uma descida dos depósitos. O crédito bruto avançou 4,6% até Setembro, face ao mesmo período de 2016, para um total de 35.312 milhões de euros, com quebras nos particulares (-0,2%), e subidas nas empresas (12,8%).

 

Já os depósitos cederam 1,3% para 27.550 milhões de euros, com o banco a conquistar recursos de clientes, mas colocados foram de balanço, como fundos de investimento e seguros.

 

O banco ressalva os níveis no que diz respeito à sua solvabilidade. "O rácio Common Equity Tier 1 [que dá conta do peso do melhor capital do banco] ‘phased-in’ ascendeu a 16,6% e o rácio CET 1 ‘fully implemented’ foi de 16,5%, valores claramente acima dos requisitos mínimos exigidos pelo BCE". 

Estas contas relativas aos primeiros nove meses do ano não reflectem ainda a compra do Banco Popular Portugal, já que a integração ainda aguarda a conclusão. 


(Notícia corrigida às 15:10: corrigido valor dos resultados em operações financeiras)




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
O próximo será o BCP Há 2 semanas

TODOS os bancos excederam as expectativas (Totta, BPI, Caixabank, Santander). O próximo será o BCP. Investir no BCP depois do Aumendo de Capital foi das decisões de investimento mais fáceis de tomar. A valoraização tem sido magnifica mas ainda existe potencial, claro que inferior. Deverá ir acima dos 0,30€ no curto-médio prazo.

CTT só estabilizará nos 3,50 € Há 2 semanas

Eu disse-o aqui no inicio da manha de ontem: a avaliação através do EBITDA recorrente anualizado de 91,9 M€, descontado com taxa adequada às atividades dos CTT, menos a dívida liquida, a dividir pelas 150 milhões de ações, dá um valor por ação de 3,50 €. Por isso, tem mais para descer.

pub