Banca & Finanças Santander Totta opõe-se à venda da SIBS

Santander Totta opõe-se à venda da SIBS

O terceiro maior accionista da empresa que gere os pagamentos nas caixas e terminais multibanco ter-se-á oposto à alienação total ou parcial da instituição, avança o Eco.
Santander Totta opõe-se à venda da SIBS
Bloomberg
Negócios 05 de dezembro de 2017 às 12:40
O Santander Totta estará contra a venda de uma participação na SIBS a um potencial parceiro estratégico internacional. O banco liderado por Vieira Monteiro, o terceiro maior accionista da empresa que gere pagamentos por multibanco, quererá manter a sua presença no capital, avança o Eco.

Segundo um presidente de um banco accionista da SIBS - que não é identificado, por ter pedido anonimato, - a indisponibilidade para a venda de uma posição a terceiros foi transmitida pelo banco já depois da operação ter sido anunciada.

Uma recusa que não deverá, no entanto, fazer perigar a transacção, refere a mesma fonte. Uma informação que é secundada pela SIBS, que afirma não ter instruções em sentido contrário ao que já estava decidido.

O processo de venda - total ou parcial, para encontrar um parceiro que permita ganhar escala - foi aprovado no início de Junho e contratado o Deutsche Bank para assessorar, mas não ficará concluído este ano, acrescenta o mesmo meio.

Em Julho deste ano a SIBS desistiu da compra da Redunicre, antes de ser tornado público pela Autoridade da Concorrência que iria proibir o negócio que teria "efeitos nefastos" para "comerciantes e consumidores".

A empresa tinha, no final de 2016, mais de duas dezenas de accionistas, sendo a Caixa Geral de Depósitos (21,6%) e o BCP (21,54%) os dois maiores detentores de capital, seguidos pelos 15,04% do Santander Totta. O BPI tem 14,98%, seguido pelos 7,97% do Novo Banco e 5,83% do BBVA.



A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
AA Há 1 semana

O SISTEMA MULTIBANCO TEM INTERESSE PÚBLICO. ATÉ DEVIA ESTAR NAS MÃOS DO ESTADO E NÃO SER VENDIDO A QUEM QUER QUE SEJA.

Anónimo Há 1 semana

E o Jornal de Negócios deixou passar em branco os 6000 despedimentos anunciados pelo banco Nordea da Escandinávia, esse lugar "socialista" defensor do sindicalismo marxista, da ditadura do proletariado, e do trabalho excedentário para a vida a qualquer custo? Aqui fica mais uma ajudinha pro bono publico... e já agora, contratem mais e melhores freelancers disponíveis no mercado. https://www.bloomberg.com/news/articles/2017-12-01/nordea-bank-s-6-000-job-cuts-are-just-the-beginning-union-says

Anónimo Há 1 semana

Atenção governo a este negócio, o Multibanco tem uma função de serviço público, não queremos caixas douradas com comissões de levantamentos...

Anónimo Há 1 semana

Está visto, vão dar cabo do Multibanco e cheira-me a chinezes que pensam que as máquinas são slot machines.

Saber mais e Alertas
pub