Telecomunicações Santos Ferreira: Governo de Sócrates não deu ordens para chumbo da OPA da Sonae à PT

Santos Ferreira: Governo de Sócrates não deu ordens para chumbo da OPA da Sonae à PT

"Não falei com nenhum membro do Governo nem nenhum membro do Governo falou comigo". A afirmação é de Carlos Santos Ferreira, ex-presidente da CGD, sobre o papel do banco no chumbo à OPA da Sonaecom sobre a PT.
Santos Ferreira: Governo de Sócrates não deu ordens para chumbo da OPA da Sonae à PT
Bruno Simão/Negócios
Diogo Cavaleiro 19 de janeiro de 2017 às 22:18

O antigo presidente da Caixa Geral de Depósitos, Carlos Santos Ferreira, recusa ter recebido indicações do Governo de José Sócrates para impedir a compra da Portugal Telecom pela Sonaecom em 2007. 

 

"Não falei com nenhum membro do Governo nem nenhum membro do Governo falou comigo", assegurou Santos Ferreira na audição desta quinta-feira, 19 de Janeiro, na comissão parlamentar de inquérito. O tema da conversa que não aconteceu era a posição que o banco público, com 5% da PT, deveria tomar na assembleia-geral de Março de 2007 da operadora, para determinar a desblindagem dos estatutos, ponto essencial para o sucesso da oferta pública de aquisição lançada pela Sonaecom.

 

O gestor que liderou a CGD entre Agosto de 2005 e Dezembro de 2007  admitiu ter falado com "outras pessoas", incluindo representantes da Sonae, por exemplo, e também uma "pessoa nomeadora assessora do Governo para efeitos da privatização, Dr. Luis Vaz". Segundo noticiado, o assessor do Executivo foi alvo de buscas pelo Ministério Público no âmbito da Operação Marquês, que investiga também a eventual influência do Governo naquela operação. A CGD era accionista da PT que também tinha o BES como accionista. Ricardo Salgado, o antigo presidente do banco, foi constituído arguido esta quarta-feira neste processo. 

 

Santos Ferreira disse, aos deputados, que a decisão de chumbo da proposta de desblindagem de estatutos da PT, que matou a OPA do grupo Sonae, foi decidida pelo conselho de administração que liderava no banco público. Embora o tenha afirmado, ressalvou que a decisão já tinha alguns anos. "Se a memória não me está a inventar uma história, o conselho de administração pronunciou-se no sentido de não aceitar a OPA com dois membros a absterem-se".

 

Segundo o antigo líder da CGD, o preço oferecido pela Sonaecom (inicialmente 9,5 euros, depois 10,5 euros) "não era suficientemente atractivo". Dez anos passados, Santos Ferreira acredita que a decisão foi a correcta: "O conselho da CGD, por aquele preço, 10,5 euros, procedeu bem". 




A sua opinião18
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado JCG 20.01.2017

Estes palhaços são uns gozões. É claro que no mundo mafioso em que se movem não são necessárias ordens específicas e directas: basta que os peões saibam o que o padrinho ou o capo deseja. Basta um pequeno sinal.

comentários mais recentes
Anónimo 21.01.2017

Para o PPD
Não foi no tempo do "Cavacadas" que se deu o grande rombo no BPN. Foi no tempo do Bandeiradas, ao serviço do Socretadas, com a nacionalização!!!

PORQUE NÃO ESTÁ ESTE ESCROQUE PRESO, SRA. PGR ? 21.01.2017

OS CORRUPTOS A DEFENDEREM-SE UNS AOS OUTROS.
Este CARLOS SANTOS FERREIRA é outro que os Portugueses se interrogam porque não está atrás das grades, por ter usado, como se fosse dele, MIL MILHÕES DE EUROS dos contribuinres (da CGD) para emprestar ao BERARDO para - espantem-se - comprar acões do BCP

Anónimo 21.01.2017

Estes "mafiosos" tomam-nos a todos por parvos e/ou brandos!! É inacreditável que nunca haja "ordens" para nada, mas a verdade é que as coisas acontecem. Sempre por "coincidência". Nem no entrocamento se encontram tantos fenómenos como nos politicos, "gestores" e amigos Portugueses.
Ouvindo este Sr. tudo leva a crer que Portugal não possui gente corrupta. E se possui, é sempre alguém que não eles, ou que estes conheçam. Assim conclui-se que os corruptos são "raia miúda" porque a graúda é de uma eleveção extraordinária. É pois inacreditável como, no caso da CGD, tanto dinheiro tenha "evaporado" sem que ninguem desse indicações, soubesse, etc, etc..Portanto estamos perante incompetentes!
Mas, quando os mafiosos, vigaristas, gatunos e corruptos se passeiam em Cascais, e no Pq. das Nações levando uma vida tranquila sem serem presos, pedir pena de prisão para quem mente a uma comissão de inquérito não passa de utopia!

Anónimo 20.01.2017

Este gajo tem razão! Eles são todos implutos. Na Caixa existem imparidades de mil milhões de grandes devedores mas que estão no segredo dos Deuses. É assunto completamente confidencial. Um relatório que foi para a A. R. levava esses nomes rasurados pelo centino e seus muchachos. Quem serão eles???

ver mais comentários
pub