Banca & Finanças Santos Silva: "Não me preocupa nada ser sucursal de um banco espanhol" 

Santos Silva: "Não me preocupa nada ser sucursal de um banco espanhol" 

"O que me interessa como fundador do BPI é que sirva da melhor maneira o país", disse o presidente da administração do banco português. O CaixaBank assegura-o. 
Santos Silva: "Não me preocupa nada ser sucursal de um banco espanhol" 
Miguel Baltazar
Diogo Cavaleiro 08 de fevereiro de 2017 às 19:18

Artur Santos Silva, fundador da SPI, que deu depois lugar ao BPI, considera que o melhor para o banco português é servir, o melhor possível, a actividade portuguesa. Na opinião do presidente da administração do banco português, e que transitará para o cargo de presidente honorário, o CaixaBank assegura esse facto.

 

"Não me preocupa nada ser sucursal de um banco espanhol", disse Santos Silva na conferência desta quarta-feira, 8 de Janeiro. "Estamos com os parceiros certos, o CaixaBank e a Allianz". 

 

"O que me interessa como fundador do BPI é que sirva da melhor maneira o país", disse Santos Silva na conferência de imprensa após a OPA. "A solução de o CaixaBank ter uma posição de 85% do banco garante-me é que o banco vai servir da melhor maneira os interesses do país e daqueles que precisam de instituições financeiras sólidas. Não tenho qualquer dúvida", explicou.

 

O ainda "chairman" do BPI disse que, há 35 anos, na fundação do banco, "72,5% eram detidos por cerca de 100 empresas portuguesas". "No final do aumento de capital que fizemos em 2012, os accionistas portugueses com algum significado tinham 5,5% e os dois mais importantes não foram ao aumento de capital", lembrou.

 

"O BPI precisou de fazer um aumento de capital e foi assegurando dominantemente por accionistas estrangeiros. O que reconheço é que a estrutura de capital em Portugal não pode ser a base do capital de um banco nas condições actuais", sublinhou Artur Santos Silva na conferência de imprensa do BPI.

 

Segundo o banqueiro, fundador do banco, as mudanças accionistas não ocorrem apenas em Portugal mas no sector bancário europeu. E, neste caso, a solução é positiva, defende.  

 

A partir de Abril, Santos Silva passará a ser presidente honorário do BPI, segundo a proposta que irá à assembleia-geral de 24 de Abril. "É uma grande solução esta que se abre" para o BPI.

 

 

 

 


A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado darkvader 08.02.2017

Analisem as nossas "elites" ao longo da nossa História!. E mais não digo...

comentários mais recentes
Dinheiro e' nosso.....E espanhois decidem! 09.02.2017

Pra comparacao vejam-se as "facilidades" q os espanhois dao as empresas portuguesas em Espanha...particularmente do ramo bancario/financeiro....

Anónimo 09.02.2017

Eu por mim já tenho banco alternativo, sou cliente ainda antes de ser BPI mas não vou ficar, nas próximas semanas vou saltar fora vou acabar com as 3 contas temos pena.

Anónimo 09.02.2017

Em vez de criticarem o Artur Santos Silva porquê não tentam fundar um Banco ou uma empresa de raiz? O país e todos nós agradecíamos.

Espelho das nossas ditas "elites"..! 09.02.2017

Ha por aqui uns enteados mal paridos pla pide que se dao muito mal com democracia e va dai apagam comentarios. Diziamos antes,traduzindo aqlo q este novo MV disse: '"nao me preocupa nada ser "servical" de um...espanhol"! Estas elites sempre se prestaram a esta vassalagem. Nada de SERVIREM Portugal.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub