Banca & Finanças Santos Silva vende na OPA três quartos da posição no BPI

Santos Silva vende na OPA três quartos da posição no BPI

O ainda "chairman" do banco foi um dos que vendeu parte da sua posição na oferta pública lançada pelos catalães do CaixaBank. Maria Celeste Hagatong e Manuel Ferreira da Silva, de saída da administração, também alienaram as acções em carteira.
Santos Silva vende na OPA três quartos da posição no BPI
Paulo Duarte/Negócios
Paulo Zacarias Gomes 10 de fevereiro de 2017 às 19:55

O ainda presidente do conselho de administração do BPI, Artur Santos Silva, reduziu a sua participação no banco em três quartos, passando de deter 400 mil acções para 100 mil títulos.


A alteração foi comunicada esta sexta-feira, 10 de Fevereiro, à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM). 

A operação de Santos Silva – que com a entrada da nova administração passará a presidente honorário do banco - tem data de 8 de Fevereiro e foi realizada ao preço estabelecido na oferta, de 1,134 euros por título. Com o ainda "chairman", cerca de duas dezenas de outras pessoas qualificadas ou administradores comunicaram também alterações nas suas participações no banco.


Foram os casos, por exemplo, de Maria Celeste Hagatong e de Manuel Ferreira da Silva, que estão de saída da administração que, com o reforço dos catalães, virá a ser presidida por Pablo Forero. Celeste Hagatong vendeu todas as 477.835 acções que detinha e Ferreira da Silva também alienou todos os títulos em carteira (670 mil), conservando no entanto 358.530 opções.


José Pena do Amaral e João Pedro Oliveira e Costa, que deverão manter-se como vogais do futuro conselho de administração, também "zeraram" as suas posições. Pena do Amaral mantém 358.530 opções de compra de acções.

E Alfredo Rezende de Almeida, cujo nome não consta do comunicado do BPI que apresenta os nomes para a nova administração e comissão executiva, também reduziu: de 2,25 milhões de acções para 10 mil.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

Santos Silva e Fernando Ulrich castraram o BPI. Ambos gozam de boa imprensa. Sabe se lá porquê. BPI foi vendido a pouco mais de um euros quando a OPA do BCP era a mais de sete euros. Já agora, Domingues formava o trio que fez do BPI uma chafarica e armou se em artista na Caixa. Ainda bem que saiu.

Tomas Há 1 semana

Acredita pouco no banco.

surpreso Há 1 semana

Eles já sabiam que iam ser retiradas da Bolsa.Só ficou com algumas ,por causa da pensão.Se isto não é "inside trading" o que é?

pub
pub
pub
pub