Agricultura e Pescas Sapec vende unidade agrícola por 456 milhões de euros

Sapec vende unidade agrícola por 456 milhões de euros

O fundo de private equity Bridgepoint chegou a acordo para comprar a unidade de produtos agrícolas da Sapec em Portugal e Espanha.
Sapec vende unidade agrícola por 456 milhões de euros
Miguel Baltazar
Nuno Carregueiro Isabel Aveiro 07 de Novembro de 2016 às 16:22

A concretizar-se, será um dos maiores negócios do ano a envolver empresas portuguesas. O grupo de origem portuguesa Sapec anunciou esta segunda-feira, 7 de Novembro, que chegou a acordo para vender a sua unidade de produtos agrícolas, por 456 milhões de euros, ao fundo de private equity internacional Bridgepoint.

 

O Grupo Sapec, que está cotado na bolsa de Bruxelas, tinha colocado à venda esta unidade de negócio, denominada Pôle Agro Business (Pôle AB), tendo agora chegado a acordo para alienar estes activos que são detidos pela Sapec Portugal SGPS.

 

As empresas a alienar à Bridgepoint estão por sua vez integradas na portuguesa Sapec Agro e espanhola Trade Corporation International, refere o comunicado do Grupo Sapec, dando conta que a operação avalia os activos da Pole AB em 318,38 milhões de euros, sendo que o restante valor diz respeito à dívida da companhia.

 

A Sapec Agro, segundo a Bridgepoint, é líder ibérica no fabrico, distribuição e venda de produtos agrícolas  não patenteados, como herbicidas, fungicidas e insecticidas, bem como de nutrientes para culturas agrícolas.

 

Presente em cerca de 70 países, a Sapec Agro gerou receitas de 223 milhões de euros no ano passado.  

 

A concretização do negócio está condicionada à autorização das autoridades reguladoras (Autoridade da Concorrência e a espanhola Comisión Nacional de los Mercados y da Competencia), que devem demorar no máximo seis meses a ser concedidas. Contudo, ambas as partes não antecipam problemas de regulação.

 

Após a concretização desta operação, o Grupo Sapec pretende reforçar outras áreas de negócio onde está presente em Portugal e Espanha e de distribuir aos accionistas uma "fatia relevante" do encaixe com a operação. O "timing" e a modalidade desse retorno aos accionistas está ainda em estudo.

 

As acções da Sapec estão suspensas em bolsa, tendo recentemente disparado 39% para máximos de sete anos, com uma capitalização bolsista de 107 milhões de euros.

 

De acordo com o comunicado emitido pela Sapec esta segunda-feira, a Bridgepoint pretende manter a gestão das unidades alienadas.

 

"Com um novo accionista que partilha as nossas ambições, o nosso objectivo passa por acelerar o crescimento do nosso negócio, criando novos mercados e lançando mais produtos desenvolvidos internamente", refere o CEO Eric van Innis, que vai continuar a liderar a Sapec Agro, no comunicado emitido pela Bridgepoint.

 

Esta área de negócio esteve recentemente em destaque a nível mundial depois de a Bayer ter chegado a acordo para comprar a Monsanto.

 

Sapec presente também no sector químico e logístico

 

O grupo Sapec, fundado em 1926 e originalmente criado para explorar as minas de pirite do sul de Portugal, está também presente numa série de outras áreas de negócio. Destaca-se o sector químico, onde fabrica produtos para tratamento de águas e outras actividades, como construção, automóvel, papel e ambiente. Nesta área detém a Sapec Química, que está sedeada em Setúbal, com uma plataforma logística em Ovar.

 

Em Portugal e Espanha está ainda presente no negócio da distribuição de matérias-primas agrícolas, como cereais, soja e rações.

 

No negócio da logística, está presente na actividade portuária através de uma posição de 55% na Navipor.

 

O Grupo Sapec, que teve Eduardo Catroga como administrador, tem ainda uma série de outros activos em Portugal em áreas de negócio diversas. É proprietário de um terreno industrial com mais de 100 hectares em Setúbal e outras 100 hectares em Lousal onde desenvolve actividades turísticas. Além de espaços de escritório em Lisboa.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub