Agricultura e Pescas Sardinha: ambientalistas defendem que pesca deve reorientar-se para outras espécies

Sardinha: ambientalistas defendem que pesca deve reorientar-se para outras espécies

A PONG-Pesca pede ao Governo que siga recomendação científica e apela a que as frotas pesqueiras reorientem o seu esforço para outras espécies menos ameaçadas do que a sardinha.
Sardinha: ambientalistas defendem que pesca deve reorientar-se para outras espécies
Pedro Noel da Luz/Correio da Manhã
Manuel Esteves 20 de outubro de 2017 às 16:16
Cumprir as recomendações científicas suspendendo a pescaria de sardinha e reorientar o esforço das frotas pesqueiras para outras espécies de modo a minorar o impacto financeiro resultante do fim da pesca daquela espécie. É deste modo que se pode resumir a posição assumida pela PONG-Pesca, uma plataforma que reúne as ONG portuguesas nos assuntos relacionados com as pescas. 

A "PONG-Pesca apela ao governo que siga as recomendações científicas, articulando as medidas de recuperação e gestão com Espanha", defende esta organização em comunicado de imprensa. O ICES (organismo que aconselha a Comissão Europeia sobre estas matérias) divulgou esta sexta-feira um parecer onde se recomenda a suspensão total da pesca de sardinha em 2018, justificada pela queda continuada do stock desta espécie nos mares da Península Ibérica. 

Para os ambientalistas, as alternativas "podem passar, por exemplo, por redireccionar o esforço de pesca da frota para outras espécies", tais como a cavala e o biqueirão. Porém, a PONG-Pesca lembra ainda que é necessário prosseguir a investigação em biologia pesqueira e avaliação de stock, não só para acompanhar a situação da sardinha, mas também "para podermos com confiança pescar outras espécies, como a cavala e o biqueirão, sem correr os riscos de os esgotar", alerta Gonçalo Carvalho, coordenador desta organização. 

"Outras soluções", lembra a PONG-Pesca, "podem passar pela valorização de outras espécies e pela diversificação da actividade das embarcações e dos profissionais da pesca, como o turismo ou outras pescarias".



A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Exportação com limite Há 4 semanas

O peixe está caro porque temos que o pagar ao preço a que é exportado para países com maior poder de compra. Se colocassem cota à exportação, reduzia-se a captura das espécies e situações de proibição, mas querem ganhá-lo todo de uma vez e depois ganham zero.

General Ciresp Há 4 semanas

O povo que se vir a comer plastico do mar q sabe a peixe,se o fizer estou certo q vao poupar no papel higienico,a porcaria ja sai ensacada.Comeu-se ate ir para o lixo,e agora anda-se as voltas por um pouco de sacrificio.Este caso vai ser exacta/ igual ao actual sobre o preco das casas,So para ricos.

Anónimo Há 4 semanas

Estes ambientalistas recebem ordenado de onde ..... ? se calhar andamos a pagar para estes chulos depois serem cornetas de outros.

Saber mais e Alertas
pub