Start-ups Seedrs levantou mais de 11 milhões de euros em campanha de financiamento

Seedrs levantou mais de 11 milhões de euros em campanha de financiamento

A plataforma luso-britânica de equity crowdfunding angariou 10 milhões de libras, mais de 11 milhões de euros, numa campanha de financiamento. Com este valor a empresa vai lançar novas ferramentas.
Seedrs levantou mais de 11 milhões de euros em campanha de financiamento
Bruno Simão
Ana Laranjeiro 03 de outubro de 2017 às 17:52

A plataforma luso-britânica de equity crowdfunding Seedrs levantou 10 milhões de libras – mais de 11 milhões de euros – numa campanha de financiamento. Deste valor, quatro milhões de libras foram investidos pelos britânicos da Woodford Investment Management, refere o comunicado enviado pela empresa às redacções. O valor restante foi "angariado junto dos accionistas existentes e de novos investidores através de uma campanha na plataforma".

"Mais de 2.000 investidores espalhados por 35 países participaram na ronda de financiamento, sendo que o investimento individual médio ascendeu a 3.200 libras e o mais elevado atingiu os 800.000 libras. Reino Unido, Alemanha, Portugal, França e Itália foram os países com o maior número de investidores que participaram nesta campanha", pode ler-se no documento.


Com este financiamento, a plataforma de equity crowdfunding pretende lançar "novas ferramentas com funcionalidades que permitam aumentar a liquidez e o retorno potencial tanto para os investidores como para as empresas; aumentar o volume de vendas e de marketing; lançar um conjunto de novas parcerias estratégicas; e aumentar fortemente a escala da execução de campanhas através da automação, aprendizagem computacional e inteligência artificial".

Numa entrevista recente ao Negócios, Filipe Portela, Business Development Iberia da Seedrs, dizia que os mais de cinco anos de existência da empresa têm "sido de um crescimento imenso". "Até mais crescimento do que o esperado. A Seedrs nasceu para ser uma forma de financiamento alternativa e, neste momento, em certas áreas já está a ser a forma de financiamento dominante das empresas", acrescentou.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub