Telecomunicações Segmento fixo sustenta aumento das receitas da Vodafone Portugal

Segmento fixo sustenta aumento das receitas da Vodafone Portugal

No final de Setembro, a operadora tinha 629 mil clientes do serviço fixo e 2,7 milhões de casas com fibra. O acordo com a Nos vai elevar a 4 milhões de lares. No segmento móvel continua a perder clientes.
Segmento fixo sustenta aumento das receitas da Vodafone Portugal
Miguel Baltazar
Sara Ribeiro 14 de novembro de 2017 às 08:05

De Abril a Setembro, a Vodafone Portugal alcançou receitas de 513 milhões de euros, um aumento de 4,2% face ao período homólogo impulsionado, mais uma vez, pelo crescimento do segmento fixo.

 

Tendo em conta só as receitas de serviços (excluindo a venda de equipamentos por exemplo), a operadora liderada por Mário Vaz registou um aumento de 5,7% para 482 milhões de euros.

 

O negócio fixo continua a sustentar o crescimento da Vodafone em Portugal, com a base de clientes a aumentar 15,2% para 629 mil. "Esta evolução mostra o sucesso, num ambiente de plena convergência, da estratégia de investimento e de diversificação do negócio. Na TV por subscrição, a Vodafone é o operador que mais cresce há 15 trimestres consecutivos, de acordo com os últimos dados disponibilizados pela Anacom relativos a Junho deste ano", sustenta a operadora em comunicado enviado às redacções.

 

No final de Setembro, a operadora contava com 2,7 milhões de casas cobertas com fibra óptica, um número que a partir de Janeiro vai acelerar no seguimento do acordo de partilha de infra-estrutura assinado com a Nos.

 

"Nos últimos quatro anos aumentámos a nossa rede de fibra de última geração em cerca de 7x, atingindo hoje 2,7 milhões de casas e empresas, ao longo de mais de 40 mil quilómetros, o suficiente para uma volta completa da circunferência da Terra. Mas não queremos ficar por aqui e o acordo recente garante que a Vodafone irá chegar a 4 milhões de casas e empresas, multiplicando assim por 10 vezes a capilaridade da sua rede de fibra de última geração", refere Mário Vaz (na foto), CEO da subsidiária portuguesa, no mesmo documento. 

 

Pelo contrário, no segmento móvel de Abril a Setembro a Vodafone Portugal viu uma redução de 2,4% do número de subscritores para 4,7 milhões. A maior queda continua a verificar-se no segmento pré-pago, com um recuo de 80% do número de novos clientes face ao mesmo período do ano anterior. 

 

A operadora destaca, porém, que no final de Setembro o peso dos clientes 4G que cresceu 43,6% para 1,55 milhões. E que o desempenho do segmento móvel "beneficia dos meses de verão, em que as subscrições móveis são sazonalmente mais elevadas". A utilização de dados móveis, por exemplo, aumentou 70,9%, impulsionado "pelo aumento da penetração de smartphones, que já ascende a 68,5% da base de equipamentos", acrescenta.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

Tangas ! Actualizem os dados !!!

pub