Automóvel Segurança Social paga creches ao sábado dos filhos de trabalhadores da Autoeuropa

Segurança Social paga creches ao sábado dos filhos de trabalhadores da Autoeuropa

A Segurança Social já identificou as vagas em IPSS onde os trabalhadores da Autoeuropa poderão deixar os filhos nos sábados de trabalho, garantindo o pagamento das creches nesses dias, disse à Lusa fonte do Governo.
Segurança Social paga creches ao sábado dos filhos de trabalhadores da Autoeuropa
Autoeuropa
Lusa 23 de janeiro de 2018 às 16:51

Os detalhes sobre o apoio aos casais com filhos que trabalham na fábrica da Volkswagen de Palmela serão discutidos numa reunião que se realiza esta quarta-feira entre os serviços da Segurança Social e os recursos humanos da Autoeuropa.

Segundo disse à agência Lusa fonte governamental, a reunião servirá para fazer a correspondência entre as disponibilidades de vagas em Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) e as necessidades dos trabalhadores.

No encontro deverão ainda ser definidas as idades das crianças a apoiar bem como a localização geográfica, uma vez que nem todas as famílias residem em Palmela.

A Segurança Social irá compensar os encargos das IPSS através do "complemento de horário em creche", apoio que "durará enquanto houver necessidades por parte dos trabalhadores", explicou a mesma fonte.

O valor do suplemento será apurado "caso a caso" e na reunião de quarta-feira "será avaliado" se o apoio às famílias pelo trabalho ao sábado poderá abranger o trabalho por turnos, à noite e aos domingos.

Em Dezembro, após uma reunião conjunta entre o ministro do Trabalho, Vieira da Silva, a Comissão de Trabalhadores da Autoeuropa e a administração da empresa, o Governo garantiu que iria assumir "responsabilidades em algumas dimensões" como a criação e reforço de "equipamentos sociais de apoio à família" para responder aos novos horários da fábrica.

O novo horário da fábrica de Palmela entra em vigor no final do mês e deverá vigorar até agosto de 2018, altura em que a administração da Autoeuropa irá discutir com a Comissão de Trabalhadores o novo período para o resto do ano.

A questão colocou-se com o fabrico do novo modelo T-Roc e, após a rejeição de dois pré-acordos pelos trabalhadores sobre alterações aos horários de trabalho, na sequência do aumento da produção, a administração impôs unilateralmente o novo modelo laboral.

 




A sua opinião39
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 3 semanas

E aos outros milhares de trabalhadores que trabalham aos sabados e já agora aos domingos, o Estado tambem vai pagar? Esta medida é constitucuinal? Não coloca dois pesos e duas medidas para situações iguais? Temos um (des)governo que não governa, limita-se a medidas avulsas para manter taxas de popularidade.

comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

Invejosos infestam como pulgas este espaço. No final vão perceber que por terem sido cobardolas e ficado calados quando deveriam ter lutado pelos seus direitos, foram explorados como os trabalhadores do calçado no Norte que recebiam o mesmo que uma doméstica no Luxemburgo...

Anónimo Há 3 semanas

Na realidade o que eles querem é trabalhar apenas de 2ª a 6ª feira. Esquecem-se que (quando não tinham trabalho) esta empresa já contemplava a possibilidade destes tipos de horários. Vão na conversa do PCP e depois queixem-se que acabam por ficar sem trabalho. Basta rever casos recentes passados.

fcj Há 3 semanas

Restante parte dos comentários exprimem opinião carregada de ...inveja política direitola!!!

Deixem-se instrumentalizar por eles e dp queixem-s Há 3 semanas

No seu ódio a tudo o q seja economia de mercado, o PCP mostrou já, à saciedade, a sua acção de sapa, nas empresas.
Exemplos ?
1 - A CUF, onde, no PREC, os dias eram passados em plenários, a produção desceu a 0 e a empresa rebentou.
2 - A OPEL, que se deslocalizou e 1100 foram para o desemprego

ver mais comentários
Saber mais e Alertas
pub