Automóvel Semi: O primeiro camião eléctrico da Tesla é conhecido dentro de horas

Semi: O primeiro camião eléctrico da Tesla é conhecido dentro de horas

O objectivo da marca norte-americana é criar um camião de transporte de mercadorias com autonomia para 320 a 480 quilómetros. O novo "bebé" eléctrico já tem nome: Tesla Semi. E a sua apresentação ao mundo vai ser "arrebatadora", promete Elon Musk.
Semi: O primeiro camião eléctrico da Tesla é conhecido dentro de horas
DR

Elon Musk, CEO da fabricante norte-americana de veículos eléctricos Tesla, apresenta esta quinta-feira, 16 de Novembro, o seu primeiro camião de longo curso, de classe 8 e totalmente movido a electricidade, com autonomia para mais de 300 quilómetros.

 

O protótipo vai ter uma autonomia entre os 320-480 quilómetros e tem o nome de Tesla Semi. O objectivo de Elon Musk será lançar este camião no período de dois anos e desde Agosto passado, quando se soube mais sobre as suas características, que se espera pela sua apresentação oficial.

A apresentação ao mundo deste "semi-truck" -, no fundo um semi-reboque, cuja produção de arrastou pelo último par de anos - esteve agendada para Setembro e posteriormente para 26 de Outubro, tendo acabado a data por recair depois em Novembro. E Musk explicou porquê.

O líder da Tesla declarou que a apresentação seria adiada para 16 de Novembro devido à necessidade de a marca se focalizar na normalização da produção do carro eléctrico Model 3, bem como devido à exigência de esforços redobrados para desenvolver soluções de electricidade para Porto Rico na sequência do furacão Maria – que foram mais tarde aplicadas num hospital de San Juan, segundo a The Verge.

A apresentação do Semi - que, segundo Musk, vai ser "arrebatadora" -  está agendada para esta quinta-feira as 20:00 em Hawthorne, na Califórnia, o que significa que já será madrugada (04:00 da manhã) de sexta-feira em Lisboa. 


Até ao momento, a Tesla já mostrou duas fotos do Semi "para abrir o apetite" dos mais curiosos. Além disso, em Outubro, um utilizador do Reddit fotografou o que será alegadamente o camião, a ser transportado na Califórnia, Estado onde fica a sede da Tesla. 


 

O objectivo da marca é criar um camião para transportar mercadoria para distâncias mais curtas, pois os camiões com motores a gasóleo têm autonomias para percorrer mais de mil quilómetros.

Mas, para ter uma autonomia acima de 300 quilómetros e ser capaz de transportar cargas pesadas, o Tesla Semi precisa de ter baterias com uma "capacidade maior dos que as actualmente existentes no mercado", conforme sublinhava o site Electrek em Agosto.

Musk garantiu em Junho que é possível transportar mercadorias usando um camião eléctrico. "Muitas pessoas pensam que não é possível ter um camião eléctrico capaz de transportar grandes mercadorias e com uma grande autonomia, mas estamos confiantes que isto pode ser alcançado", disse o fundador e líder da Tesla durante o encontro anual da marca.

Nos Estados Unidos, 30% das viagens de transportes de mercadorias são entre os 160 e os 320 quilómetros. "Desde que consigam atingir os 320 quilómetros, a Tesla pode dizer que o seu camião é de longa distância e tecnicamente vai estar correcto", considera Sandeep Kar, responsável da canadiana Fleet Complete, empresa que analisa dados de transportes de mercadorias.


Segundo contas da Bloomberg, a diferença de valor na compra de um camião diesel convencional ou de um novo camião eléctrico Tesla pode ser recuperada no espaço de dois anos. Para o caso de um camião eléctrico de longo curso, o investimento na compra ascende a 215 mil dólares contra 150 mil dólares do convencional, ou seja, 65 mil dólares de diferença.

A agência noticiosa estima uma poupança anual de 24 mil dólares em combustível e sete mil dólares em manutenção, o que nos dois anos - um total de 62 mil dólares - fica muito próximo de cobrir a diferença entre os preços iniciais dos dois tipos de camiões.

Permanecem ainda várias incógnitas em torno do camião que será apresentado esta madrugada: quem serão os seus primeiros clientes (desde logo, espera-se que a casa-mãe seja pioneira no seu uso para transporte dos carros produzidos na companhia), como funcionará a rede de reparação e manutenção, ou como é que será garantido o carregamento das baterias no caso destes veículos tão exigentes do ponto de vista do consumo?

O Tesla Semi poderá assim ser a boa notícia por que esperam os investidores da empresa. No passado dia 1 de Novembro, a Tesla Motors voltou a decepcionar o mercado, ao prorrogar uma vez mais a sua meta para fabricar 1.500 veículos por dia. Além disso, registou no terceiro trimestre prejuízos superiores às estimativas.

A fabricante norte-americana de veículos eléctricos Tesla registou uma perda de 619,4 milhões de dólares no terceiro trimestre, terminado a 30 de Setembro, contra lucros de 21,9 milhões um ano antes. Tratou-se, assim da maior perda trimestral da história da Tesla.

 





















Numa base ajustada (excluindo itens extraordinários), registou um prejuízo de 1,92 dólares por acção – valor superior aos 1,45 dólares por acção esperados pelos analistas inquiridos pela Zacks Investment Research e que compara com um lucro de 71 cêntimos por acção no mesmo período de 2016.

 

As receitas, por seu lado, aumentaram 30% para 2,98 mil milhões de dólares. O consenso de mercado apontava para 2,90 mil milhões, pelo que a facturação superou as expectativas.


No entanto, os prejuízos e a incapacidade de atingir metas de produção que tinha definido castigaram a empresa em bolsa, que logo após o anúncio dos resultados afundou mais de 5% no "after-hours" da bolsa nova-iorquina.


No dia 3 de Outubro, a Tesla tinha já dado conta de problemas na produção do novo Model 3, quando revelou que tinha apenas produzido 260 unidades no terceiro trimestre – contrariando grandemente a sua meta de "mais de 1.500" prevista só para Setembro.

 

Agora, veio dizer que a meta de produção de 1.500 Model 3 por semana está adiada para finais do primeiro trimestre de 2018, o que desgostou os investidores.

Recorde-se que a ideia da Tesla é fabricar 500.000 carros por ano a partir de 2018. E para a alcançar conta grandemente com o Model 3 – que, a avaliar pelos seus revezes, poderá dificultar a concretização desse objectivo.

Elon Musk, além de liderar a Tesla, é também CEO da empresa de foguetes SpaceX e presidente não executivo da SolarCity [que se dedica à concepção, financiamento e instalação de sistemas de energia solar], além de ter sido o criador do sistema de pagamentos online Paypal.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
Saber mais e Alertas
pub