Turismo & Lazer Serra Nevada: onde a neve é menos lusa

Serra Nevada: onde a neve é menos lusa

Os portugueses estão no pódio dos visitantes à estância de neve localizada nas proximidades de Granada, em Espanha. O seu peso tem vindo a diminuir nos últimos anos. Depois da crise, a queda é notória.
Serra Nevada: onde a neve é menos lusa
Reuters
Wilson Ledo 28 de janeiro de 2017 às 11:00

A promessa é de que oito em cada dez dias serão de sol em Serra Nevada. Nesta estância de neve espanhola, perto de Granada, a praça principal define o ritmo. Daí se vê a neve em volta nos telhados. Há música e turistas equipados a desfrutar de uma bebida quente - o chamado "aprés-ski".

É uma das mais próximas de Portugal, a cerca de 10 horas de carro de Lisboa. Por aqui, até à temporada de Inverno de 2012/13, os lusos já foram a principal nacionalidade estrangeira. Dos cerca de um milhão de visitantes de Serra Nevada neste período, quase 5% eram portugueses.


"Há que ter em conta a conjuntura económica e social dos últimos anos em Portugal. Além disso, não há novos esquiadores a surgir nem temos previsão nesse sentido", explica a Cetursa Sierra Nevada, empresa gestora onde a comunidade de Andaluzia encabeça os accionistas.


Na última temporada, quando Serra Nevada recebeu 800 mil visitantes, os portugueses só pesaram 4,1%. No Verão, quando a estância se orienta nas caminhadas e passeios de bicicleta, o registo é muito baixo: 30 a 45 mil visitantes lusos. O peso não ultrapassa a fasquia de 1%.


Na época de neve – que se estende do início de Dezembro ao fim de Abril, com destaque para o fluxo a partir de Fevereiro – é de Espanha que vem a maioria absoluta de turistas: 85,8%. Os portugueses são ultrapassados pelo Reino Unido, que pesa 8,7%.


Abaixo dos 3.300 metros de altitude máxima de Serra Nevada, há cerca de quatro quilómetros quadrados onde é possível esquiar. As pistas fecham por volta das 16 horas, convidando depois a momentos de convívios nos cafés e hotéis. É preciso ter atenção às variações térmicas: basta colocar o pé no "hall" para ser bafejado por um calor intenso.


Se as actividades são uma aposta de Serra Nevada para conquistar mais visitantes, com um foco nas crianças, em 2017 há um motivo adicional: os Campeonatos do Mundo de Esqui e Snowboard em estilo livre, de 7 a 17 de Março, duas décadas depois da última passagem por esta estância.


Como ir de Portugal?

No último ano, Serra Nevada recuperou os contactos com a maior rede de agências de viagens em Portugal, a Abreu. À lista de parceiros juntam-se a Slide In Travel, a Solférias, a Fun Ideal, a Halcon e a Sporski.


A Sporski é especializada em viagens à neve. Detida pela Geostar, todos os anos leva à neve cerca de 20 mil clientes, 3.500 dos quais a Serra Nevada onde instala uma equipa de acolhimento e assistência quando o volume de clientes justifica. A estreia deu-se em 1995.


"À medida que o mercado foi evoluindo e a experiência dos esquiadores aumentando, foi crescendo a procura e a necessidade de criar oferta para outros destinos", explica Margarida Gaivão, responsável de marketing e comunicação. Andorra, Pirinéus espanhóis e Alpes afirmaram-se como alternativa. Contudo, Serra Nevada está a voltar a afirmar-se, garante.


A Páscoa é um dos períodos altos da procura. Um hotel de quatro estrelas em meia pensão, neste caso o Meliá Serra Nevada, para uma família de dois adultos e duas crianças até aos 11 anos poderá custar cerca de 1.800 euros de 2 a 6 de Abril. O valor engloba o alojamento, aluguer de equipamento, os acessos às pistas, seguros, parque coberto para automóvel e curso diário para as crianças.


O preço poderá escalar, por exemplo, até aos 2.700 euros no Carnaval, de 25 de Fevereiro a 1 de Março. Neste caso está só incluído o alojamento, os acessos e seguros, de acordo com estimativas apresentadas ao Negócios pela Sporski.

Ir de carro é sempre a melhor opção, tendo essa despesa de ser adicionada depois ao orçamento.

Porque, a poucos minutos, há outros atractivos para visitar. A influência muçulmana é constante em Granada e toma o seu expoente no Alhambra. O castelo vermelho dá também nome a uma cerveja de produção local, feita com água oriunda de Serra Nevada. Dizem os guias locais que é o melhor complemento para uma noite de tapas.


*jornalista em Serra Nevada, a convite da Sporski




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Yolanda Sevilla 26.04.2017

Muchas gracias por tu gran colaboración y espero verte de nuevo en Sierra Nevada, este próximo verano 2017, en algún gran evento deportivo que disponemos desde finales de junio hasta principios de Septiembre. un saludo.

pub