Banca & Finanças Sete seguradoras não cumpriram requisitos de solvência em 2016

Sete seguradoras não cumpriram requisitos de solvência em 2016

Cerca de 4,8% do mercado português falhou o cumprimento do rácio de capital de solvência, segundo admite o regulador. São sete operadores. José Almaça admite são necessários acompanhamentos individuais específicos.
Sete seguradoras não cumpriram requisitos de solvência em 2016
Bruno Simão
Diogo Cavaleiro 09 de maio de 2017 às 18:24

Houve sete empresas seguradoras que não cumpriram todos os requisitos de solvência exigidos pelo regulador. A identidade das companhias não é revelada pelo regulador. Ainda assim, no seu todo, o sector segurador nacional apresentou valores "adequados".

 

"Nem todos os operadores cumpriam integralmente os requisitos de solvência. A essa data, sete operadores, representativos de 4,8% do mercado, reportaram rácios de cobertura do requisito de capital de solvência (SCR) inferiores a 100%, correspondendo a um défice de 3,6% do SCR global", indica a Análise de Riscos do Sector Segurador e dos Fundos de Pensões.

 

O documento, da autoria de Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF), assinala que, em relação a outro indicador de solidez das companhias, o requisito de capital mínimo (MCR), houve dois operadores do sector, com uma quota de 2,4%, que reportou "um nível de fundos próprios insuficiente".


Tendo em conta a reduzida representatividade, o sector português superou o mínimo exigido no ano passado: "No final do primeiro semestre de 2016, o conjunto das empresas de seguros supervisionadas pela ASF apresentava, de um ponto de vista global, níveis de solvência adequados. O rácio global de cobertura do SCR situou-se em 131% (...) e o rácio global de cobertura do MCR situou-se em 374%".

 

Segundo o regulador, o rácio global do requisito de capital de solvência aumentou no segundo semestre de 2016, mas subsistem "algumas situações individuais que requerem um acompanhamento próximo". Mais uma vez, não são enumeradas as companhias em causa.

 

Ainda há desafios, diz Almaça

 

2016 foi o primeiro ano com o novo regime de regulamentação do sector segurador, o Solvência II, em vigor. Segundo o líder da ASF, foi um ano positivo.

"Os operadores nacionais conseguiram concluir com sucesso o primeiro ano de implementação do regime Solvência II, apesar da conjuntura adversa que continuaram a enfrentar, nomeadamente no ramo vida, onde as baixas taxas de juro condicionaram significativamente a oferta de produtos atractivos para os consumidores", escreve José Almaça no mesmo comunicado.

 

Apesar disso, o presidente da ASF admite que "subsistem, ainda assim, desafios ao nível da consolidação dos sistemas de governação das empresas, salientando-se o papel que o pleno cumprimento dos requisitos de adequação aplicáveis às pessoas que as dirigem efectivamente, as fiscalizam ou são responsáveis por funções-chave, desempenhará no curto prazo". 


A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

Não cumpriram e não se passa nada. Olha eu se não cumprir cai-me a ASAE em cima e fecha-me e sela-me logo a porta.

Conselheiro de Trump Há 2 semanas

Fiz varias vezes referencia:a crise de 2008 foi das melhores coisas q nos podia ter acontecido.Se estivessem atento teriam percebido q nessa data foi marcada o fim do dinheiro facil.Ainda sou do tempo q se ia a mercearia de sebenta na mao,90% era analfabeto e o taskeiro reguila:roubava com as 2 maos

pub
pub
pub
}
pub