Energia Shell e Total vão regressar a Portugal com um mercado estagnado, alerta APETRO

Shell e Total vão regressar a Portugal com um mercado estagnado, alerta APETRO

O sector de combustíveis vai ganhar dois novos actores no próximo ano, mas as petrolíferas que já operam no mercado avisam que o mercado está parado, sem margem para crescer.
Shell e Total vão regressar a Portugal com um mercado estagnado, alerta APETRO
bruno simão
André Cabrita-Mendes 30 de Novembro de 2016 às 16:22

As grandes petrolíferas a operar em Portugal vão ganhar dois novos concorrentes em 2017. A francesa Total e a anglo-holandesa Shell vão regressar ao mercado português, depois de terem vendido as suas redes e saído de Portugal anteriormente. 

 

Analisando o actual estado do mercado de combustíveis, a Associação Portuguesa de Empresas Petrolíferas (APETRO) aponta que "o mercado quer dos combustíveis líquidos, quer do gás engarrafado, está em retracção". Recorde-se que o mercado de gás engarrafado também vai ganhar novos actores em 2017, com a chegada da Cepsa e da DISA.

 

"O mercado é cada vez mais pequenino, isso não significa que não possa haver mais ‘players’, mas é muito mais fácil num mercado em expansão, em crescimento, aparecerem novos ‘players’, do que num mercado que, no mínimo ou no máximo, estará estagnado, nunca terá grande potencial de crescimento", observou o presidente da APETRO, António Comprido.

 

As declarações do responsável tiveram lugar à margem do Encontro Anual da Associação Portuguesa de Empresas de Gás Natural (AGN) que decorreu esta quarta-feira, 30 de Novembro, em Lisboa.

 

"Os veículos são cada vez mais eficientes, há outras fontes de energia - gás natural, electricidade, biocombustíveis -, nós não vamos ter mais carros por habitante, portanto, não é um mercado muito promissor em ter", resumiu.

 

A APETRO representa as maiores empresas do sector a operar em Portugal, como a Galp, Shell, BP, Cepsa, a Prio ou a Oz. António Comprido diz que a APETRO ficaria "muito feliz" com a entrada da Shell e da Total pois seria um "selo de qualidade e de maior concorrência".

 

Contudo, questiona como é que a acontecer a entrada da Shell e da Total num mercado que se encontra estagnado. "Mas qual é a dimensão desta entrada? É uma volta em força da Shell e da Total que há uns anos venderam as suas operações em Portugal? Vão recomprar? Nós já temos das redes de postos de combustível mais densas da Europa. Vamos desatar a construir mais postos? Vai ser por aquisição dos "players" já existentes?".

 

"Isto é uma questão de racionalidade económica, não quero acreditar que quer a Shell, quer a Total, não se vão reger por princípios de racionalidade económica, os investimentos acontecerão se houver espaço para eles e se forem interessantes", analisou o líder da APETRO.




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
jecm Há 1 semana

Estranho. Preocupado com o facto das duas maiores empresas europeias (a par da BP) virem para Portugal? Coitados, não devem ter analistas de mercado. Ou será que, vão estragar algum esquema?

Anónimo Há 1 semana

Diz o ditado:a concorrencia faz o preco.Se a oferta for muito superior a procura os precos baixam.Kem sabe se depois de tudo isso comecam os espanhoes a vir a portugal encher os depos. em vez do contrario.Par mim isto sao jogadas a mourinho primo,coitados quem os viu e quem os ve,so assanam c insult

ggov Há 1 semana

A situação tenderá a piorar, o consumo dos combustíveis fosseis irá diminuir à medida que os consumidores forem substituindo os carros tradicionais por carros eléctricos cuja venda tem aumentado de ano para ano e seguramente nos próximos anos iremos assistir a um incremento nas vendas, fruto do desenvolvimento tecnológico que tem permitido a redução dos preços e maior autonomia.
Hoje, já é possível que a maior parte dos veículos no transito citadino possa ser feito com veículos eléctricos. e poupar muitos milhares de toneladas de combustíveis, assim o queiram os governos.
É evidente que iremos continuar a assistir a uma grande resistência dos lobys do petróleo mas dificilmente este processo de migração para os carros eléctricos será travado. A pressão da sociedade é agora muito forte e não aceitariam uma regressão.

Camponio da beira Há 1 semana

As bombas em Portugal, estão quase às moscas com 3 ou 4 camiões, mesmo de noite. É um ambiente absolutamente deprimente, no que toca ao moivimento de mercaorias.

pub
pub
pub
pub