Start-ups Siesta and Go: Quando a sesta se torna num negócio

Siesta and Go: Quando a sesta se torna num negócio

Os grande centros urbanos em Espanha alienaram uma forte tradição do país: a sesta. Mas, depois de uma viagem ao Japão, uma espanhola viu aí uma oportunidade de negócio. E, aparentemente, costuma ter casa cheia.
Siesta and Go: Quando a sesta se torna num negócio
Negócios com Bloomberg 29 de junho de 2017 às 13:29

Em Portugal, muitos devem saber que a sesta é uma tradição em Espanha. Em muitos locais do país vizinho, a meio do dia, as lojas e os serviços fecham para uma hora de almoço prolongada. Mas, como em muitas outras coisas, a tradição já não é o que era e nos grandes centros urbanos, essa tradição perdeu-se. E houve quem tenha encontrado aí uma oportunidade.

Nas grandes cidades, as novas tendências empresariais e de vida colocaram um ponto final a esta prática, "deixando muitos espanhóis que trabalham muitas horas exaustos", escreve a Bloomberg. Por isso, Maria Estrella Jorro de Inza descobriu como recuperar a tradição e fazer dinheiro com isso. Lançou a Siesta and Go, o primeiro bar onde é possível fazer a sesta em pleno centro financeiro na capital, Madrid.

O conceito é simples, explica a Bloomberg. Por 14 euros por hora é possível dormir a sesta num quarto privado. Este bar dispõe de 19 camas. E aos clientes é dado lençois limpos, chinelos, tampões para ouvidos e acesso a uma área onde há café. "É engraçado [porque] somos conhecidos pela sesta, mas não temos sido profissionais em relação a isso", disse De Inza, à Bloomberg.

"Temos muitos homens de fato que apenas querem relaxar e mulheres que querem tirar os sapatos de salto alto. A hora de almoço é altura mais movimentada", acrescentou.


A inspiração para este bar, onde se pode fazer uma sesta, surgiu durante uma viagem à capital japonesa, Tóquio, de Maria Estrella Jorro de Inza onde há muitas opções para as pessoas descansarem durante um curto espaço de tempo. 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub