Banca & Finanças Sindicato acusa Caixa de "querer apagar" quatro anos da carreira

Sindicato acusa Caixa de "querer apagar" quatro anos da carreira

O Sindicato dos Trabalhadores das Empresas do Grupo CGD acusa a Caixa de "querer apagar o tempo" e reivindica que os quatro anos em que os trabalhadores ficaram "constrangidos" pelo programa de ajustamento contem para a carreira.
Sindicato acusa Caixa de "querer apagar" quatro anos da carreira
Paulo Duarte/Negócios
Lusa 09 de março de 2017 às 13:37

"A Caixa [Geral de Depósitos] está a fazer uma interpretação da lei do Orçamento do Estado que, pode dizer-se singelamente, é a de querer apagar o tempo e os anos em que estivemos constrangidos pelo programa de ajustamento, que neste caso são quatro anos", disse o presidente do Sindicato dos Trabalhadores das Empresas do Grupo CGD, João Lopes, após uma audiência com o grupo parlamentar do PS, pedida pelo próprio sindicato para expor esta situação.

 

Em causa, estão os anos 2013, 2014, 2015 e 2016, que, segundo o sindicato, "morreram, não existem" para a Caixa.

 

João Lopes sublinhou que o sindicato "não está a reivindicar efeitos retroactivos", mas não aceita esta "intenção de querer apagar o tempo", acrescentando que nem o Orçamento do Estado para 2017 (OE2017) legítima essa leitura.

 

"Ficámos mais velhos quatro anos, o tempo que contou para a reforma tem que contar para a carreira e para outras coisas. E é essa leitura que a Caixa não está a fazer", disse João Lopes.

 

O sindicato afirmou que foi hoje ao grupo parlamentar do PS para dar conhecimento sobre "este diferendo ou princípio de diferendo", sublinhando que "até pode encontrar-se uma solução aceitável", mas avisando que, se tal não acontecer, pondera avançar para os tribunais.

 

O Sindicato pediu audiências a todos os partidos que viabilizaram o OE 2017 e à comissão parlamentar do trabalho, seguindo-se agora, no dia 14 deste mês, a audiência com o PCP.

 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub