Aviação Sindicato admite atrasos em voos no Natal por greve na segurança dos aeroportos

Sindicato admite atrasos em voos no Natal por greve na segurança dos aeroportos

O Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos (SITAVA) estimou um “impacto grande” na greve dos próximos dois dias das empresas que fazem o controlo dos passageiros, falando em atrasos em voos e até cancelamentos.
Sindicato admite atrasos em voos no Natal por greve na segurança dos aeroportos
Bloomberg
Lusa 24 de dezembro de 2017 às 00:20

"A nível de passageiros, [vai afectar] mais da parte da manhã, porque a maioria das pessoas vai viajar de manhã, mas vai ser grande" o impacto causado pela greve, disse à agência Lusa dirigente do SITAVA Paulo Alexandre.

De acordo com o responsável, a paralisação, que decorre entre as 00:00 de domingo e as 23:59 de segunda-feira (véspera e dia de Natal, respectivamente) nos aeroportos do país, "poderá fazer atrasos nos voos e até cancelamentos".

Os trabalhadores da segurança privada dos aeroportos - das empresas Prosegur e Securitas - vão avançar com dois dias de greve para exigir melhores condições laborais.

Paulo Alexandre afirmou à Lusa que a principal reivindicação é a assinatura do Contrato Colectivo de Trabalho para estas empresas, "que já deveria ter sido aceite" pela Associação de Empresas de Segurança (AES).

"O Governo fez uma proposta, visto que a AES não aceitou as condições propostas pelo SITAVA. O próprio Estado redigiu um contrato e tentou fazer com que a AES aceitasse o contrato. Da parte do SITAVA não houve problema, mas a AES continua intransigente em relação a isso e, por causa disso, vamos fazer a greve", explicou o sindicalista.

Na sexta-feira, a ANA - Aeroportos de Portugal alertou para eventuais demoras nos procedimentos de controlo de segurança nos aeroportos nacionais nos dias 24 e 25 devido à greve das empresas de segurança.

"A ANA Aeroportos de Portugal informa todos os passageiros que, em virtude da greve anunciada para as empresas de segurança e do elevado incremento de tráfego registado nos últimos meses, é previsível que os procedimentos de controlo de segurança nos aeroportos nacionais sejam mais demorados durante os próximos dias 24 e 25 de Dezembro", referiu a gestora aeroportuária em comunicado.

Na nota, a empresa recomendou aos passageiros que, durante os dias da greve, se apresentem no aeroporto respetivo "com maior antecedência e sigam as instruções transmitidas pela sua companhia aérea, operador turístico ou agência de viagens".

A empresa sugeriu mesmo que os passageiros "procedam ao despacho de bagagem no 'check-in', para reduzir o número de peças a rastrear no controlo de bagagem de mão".

E lamentou ainda "os possíveis constrangimentos causados aos passageiros", assegurando que iria "desenvolver todos os esforços no sentido de minimizar os impactos que a greve possa causar".

O dirigente do SITAVA Paulo Alexandre disse ainda à Lusa que, além desta paralisação, poderá haver perturbações nos procedimentos de segurança dos aeroportos no dia 1 de Janeiro, por os trabalhadores não terem direito a este dia, como havia sido prometido.

"Não vai haver greve, mas possivelmente vai haver atrasos e coisas mais complicadas. Muita gente não vem mesmo trabalhar", adiantou à Lusa.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

Numa economia, existem 2000 cientistas de foguetões reutilizáveis distribuídos pelos cargos de chefia do sector público, do ensino privado e das empresas privadas de transporte terrestre que nada têm a ver com foguetões. Essa economia precisa de 2000 cientistas de foguetões reutilizáveis, mas tem 2000 chefes a mais no sector público, no ensino privado e nas empresas privadas de transporte terrestre. Estes chefes têm carreiras cheias de bónus, benefícios e progressões automáticas por antiguidade que os seus sindicatos negociaram com governantes eleitoralistas ao longo dos anos. O dinheiro que o sector público, o ensino privado e as empresas privadas de transporte terrestre gastam para pagar a esses 2000 chefes desnecessários, mal alocados e incrivelmente qualificados em ciência de foguetões reutilizáveis é equivalente ao que seria necessário ao mercado de capitais doméstico para investir no sector dos foguetões reutilizáveis naquela economia. O mercado laboral é rígido. O que fazer?