Transportes Sindicatos da Carris a favor da municipalização abandonam reunião com o PCP

Sindicatos da Carris a favor da municipalização abandonam reunião com o PCP

Uma comitiva composta por elementos do Sindicato dos Trabalhadores dos Transportes, pela Comissão de Trabalhadores da Carris e por outras duas estruturas abandonou uma reunião com o PCP ao início da tarde. Os sindicalistas recusaram reunir-se com as estruturas afectas à CGTP.
Sindicatos da Carris a favor da municipalização abandonam reunião com o PCP
Miguel Baltazar/Negócios
Bruno Simões 02 de fevereiro de 2017 às 16:10

Os sindicatos da Carris que são a favor da municipalização da empresa, bem como a respectiva Comissão de Trabalhadores (igualmente favorável à gestão do município) tinham uma reunião marcada com o PCP na Assembleia da República para as 14:00 desta quinta-feira, mas abandonaram o encontro antes mesmo de ele começar. A informação foi avançada pelo Expresso e confirmada pelo Negócios.

"Não chegámos sequer a reunir. O PCP queria transformar esta reunião numa auscultação aos trabalhadores da Carris, mas devia tê-la feito antes de pedir a apreciação parlamentar" da municipalização da empresa, justifica ao Negócios Sérgio Monte, secretário-geral do Sindicato dos Trabalhadores dos Transpores (SITRA), afecto à UGT e o mais representativo na Carris.

 

A comitiva, composta pelo SITRA, pela Comissão de Trabalhadores, pela Associação Sindical dos Trabalhadores de Tráfego da Carris e pelo Sindicato Nacional dos Motoristas, também não gostou de encontrar na reunião os sindicatos afectos à CGTP, que defendem que a Carris volte à esfera do Estado. "Nós tínhamos pedido uma reunião com o PCP e quando lá chegámos estavam outros sindicatos", queixa-se Sérgio Monte.

 

A reunião tinha sido pedida por esta comitiva de sindicatos e trabalhadores, que ficou "preocupada" quando o PCP pediu a apreciação parlamentar da municipalização da Carris. "Ficámos apreensivos, se fosse aprovada a cessação de vigência [do decreto-lei do Governo] a municipalização poderia ser revertida e os trabalhadores ficavam numa situação periclitante", explica Sérgio Monte. Entretanto, o PCP já anunciou que não pedirá a cessação de vigência, mas vai propor que a empresa regresse à esfera do Estado.

PCP garante que tinha sido comunicada presença de estruturas da CGTP

Num comunicado enviado às redacções pela UGT, as quatro organizações representativas dos trabalhadores (ORT) que se deslocaram ao Parlamento explicam que a reunião não se realizou por estar "fora do âmbito do seu pedido". As quatro estruturas que defendem a municipalização dos transportes garantem ter sido "surpreendidas com a presença de outras organizações não subscritoras do pedido de reunião" e pela "tentativa do PCP querer transformar esta reunião numa espécie de acareação entre as ORT’s relativamente a esta apreciação parlamentar".

À Lusa, o deputado do PCP Bruno Dias garantiu que as quatro estruturas que abandonaram a reunião tinham sido informadas que estariam presentes outros sindicatos.

A propriedade e a gestão da Carris passaram ontem, 1 de Fevereiro, para a Câmara Municipal de Lisboa. A apreciação parlamentar pedida pelo PCP será discutida no Parlamento no dia 24 de Fevereiro e o PS já se mostrou disponível para permitir uma maior participação dos municípios vizinhos de Lisboa na gestão da empresa.

 

Na reunião ficaram apenas os sindicatos afectos à CGTP, entre eles a Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (Fectrans). À saída, e à Lusa, José Manuel Oliveira, coordenador nacional da Fectrans, aplaudiu a posição assumida pelo PCP, que não vai suscitar a cessação de vigência dos diplomas.

Sérgio Monte diz que o PCP demonstrou disponibilidade para agendar um novo encontro.


Notícia actualizada às 17:53 com o comunicado da UGT e as declarações do PCP e da Fectrans




A sua opinião11
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 3 semanas

Pois. Este Bruno Dias do PCP é um bronco, que vive à custa do erário público sem nada fazer. Salvo estas tristes figuras. E era o PCP que tinha a mania de falar pelos trabalhadores e tal.

comentários mais recentes
PCP é elo mais fraco Adeus Há 2 semanas

O bruno dias fez figura triste queimaram o pobre menino da jcp

uma vergonha Há 3 semanas

Esquerda une-se para chumbar audição de Armando Vara.

O Jerónimo da cassete vai enrugar ainda mais! Há 3 semanas

Se a Carris for para a Câmara, o q faz o Arménio Carlos braço armado da comunada? E O Jerónimo cassete o q diz sobre os trabalhadores? Não haja dúvidas o Medina vai encabar até ao nó a comunada e o Arménio Carlos! Ainda bem pq acabam as greves fedorentas!

O Arménio Carlos fornicou-se! Há 3 semanas

O Arménio Carlos era um electricista falhado na CARRIS! Com a gestão desta empresa pela Câmara agarraram o Arménio Carlos pelos testículos, doravante vão fazer greves ao caaralho!

O Medina espertalhão meteu o Arménio Carlos, fala barato, no porão!!

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub