Banca & Finanças Siza Vieira: "Governo não pode ser indiferente à situação do sistema bancário"

Siza Vieira: "Governo não pode ser indiferente à situação do sistema bancário"

O ministro-adjunto, Pedro Siza Vieira, explicou, no Banking Summit, que decorre em Lisboa, porque não pode o Governo ficar indiferente ao que se passa nos bancos.
Siza Vieira: "Governo não pode ser indiferente à situação do sistema bancário"
Bruno Simão
Alexandra Machado 07 de fevereiro de 2018 às 10:00
Começando por congratular o sector bancário por estar a discutir, numa conferência, as perspectivas de negócio futuro e não os riscos da banca, Pedro Siza Vieira explicou porque não pode o Governo deixar de olhar para o sector financeiro.

A existência de um mercado de capitais "pouco profundo" - Siza Vieira aproveitou para dizer que o Governo continua empenhado no desenvolvimento deste mercado - e um tecido empresarial dominado pelas PME que têm fontes de financiamento distintas, a banca é o principal suporte de financiamento e de crescimento económico.

Por isso,"o Governo não pode ser indiferente à situação do sistema bancário", explicando que não é, no entanto, sua função supervisionar - salvaguardando situações excepcionais - ou intervir no capital, mas compete ao Executivo "influenciar o contexto, melhorando enquadramento económico, legislativo, fiscal".

Para Siza Vieira, "não se trata de favorecer um sector em detrimento de outro, trata-se de reconhecer que o sistema bancário é essencial ao funcionamento da economia" e que problemas na sua solidez ameaçam a economia.

A banca está a fazer o seu caminho, mas o ministro-adjunto não deixou de aproveitar o momento para falar do crescimento económico que também actua de forma positiva na banca, assim como a redução da dívida pública, ou a consolidação das finanças públicas. É também ao falar das condições permitidas pelo Executivo que fala da melhoria da autonomia financeira das empresas e da relevância dos programas capitalizar ou das alterações às leis de insolvências e de recuperação de empresas, além da diminuição das acções executivas pendentes. 

É, para Siza Vieira, "um sector mais estável, e capitalizado, é um sector mais bem preparado para o futuro", ainda que continue com "desafios complexos", herdados do passado alguns, e estabelecidos pelo presente, nomeadamente pelo nível de taxas de juro baixas e pelas mudanças regulatórias. "A regulamentação está a impor mudanças cujos efeitos ainda não conseguimos avaliar na totalidade", declarou no Banking Summit, organizado pela APB e Sibs, e que decorre em Lisboa.

Lembrou os anos de dificuldade, que levaram à resolução, na entrada em funções do Governo de Costa, do Banif, logo em 2015. E nesse âmbito voltou a dizer que "um governo não pode desinteressar-se da situação do sistema financeiro, como se fosse [um sistema] de accionistas e supervisores". 

(Notícia actualizada às 10:10 com mais declarações)




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Maria Há 2 semanas

O amigo do Costa está vivo! E diz umas coisas. Grandes Amigos!

General Ciresp Há 2 semanas

Isto poem-me os olhos em bico,ministro-adjunto,mas afinal ADJUNTA-SE a quem....?Minha rica Alexandra se nao forem capazes de reconstruir o unico OVO DE OURO q destruiram(EMIGRANTES LESADOS) nada feito.Se a cx geral depenados faz festa por uns miseros 51 milhoes,quando so dum emprestimo pagam 50milho

Saber mais e Alertas
pub