Banca & Finanças SLN Valor não chega a acordo sobre dívida de 471 milhões ao Estado

SLN Valor não chega a acordo sobre dívida de 471 milhões ao Estado

Os antigos accionistas da ex-SLN, antiga dona do BPN, não chegaram a um entendimento com os credores. O Estado, através da Parvalorem, representa 93% da dívida de 509 milhões de euros da SLN Valor.
SLN Valor não chega a acordo sobre dívida de 471 milhões ao Estado
Pedro Elias/Negócios
Diogo Cavaleiro 20 de Outubro de 2016 às 16:25

"Não foi alcançado acordo". A SLN Valor, que reúne os antigos accionistas da Sociedade Lusa de Negócios (hoje, Galilei SGPS, em insolvência), não chegou a qualquer entendimento para a redução da sua dívida. Não vai haver revitalização. Fugir à insolvência fica mais difícil. 

 

A 19 de Outubro, foi declarado encerrado, sem sucesso, o Processo Especial de Revitalização (PER) pedido em Maio passado. "Cumpre assim (…), sem que tivesse existido tempestivamente acordo, concluir estar o processo negocial encerrado e consequentemente declarar encerrado o processo de revitalização", indica o comunicado colocado no portal Citius. 

 

A SLN Valor tem uma dívida global de 509 milhões de euros, segundo o apuramento feito pelo administrador de insolvência Francisco Areias Duarte no âmbito do PER. Um total de 471 milhões, ou 93% do total, é perante a Parvalorem, a sociedade estatal que ficou com os créditos tóxicos do Banco Português de Negócios.

 

Já era antecipável que não houvesse acordo para a revitalização da SLN Valor. "À partida não se perspectiva a possibilidade da pretendida revitalização vir a ocorrer, sendo o cenário mais previsível o da futura insolvência desta sociedade", tinha declarado a Parvalorem ao Expresso em Setembro passado.

Além da Parvalorem, que não quis fazer comentários ao Negócios, havia ainda créditos reconhecidos sobre a SLN Valor de particulares e da Abreu Advogados.

 

A SLN Valor detinha 31,7% da Galilei, a ex-SLN, cujo grande activo era o BPN. A queda do BPN, em 2008, tirou a grande fonte de dividendos ao grupo SLN e, daí, aos seus accionistas, de que a SLN Valor é exemplo. A Galilei, sem o banco, está em insolvência. Só que, ao contrário da SLN Valor, o PER da Galilei SGPS foi apresentado mas os credores, mais uma vez com o Estado à cabeça, recusaram-no. Em Setembro, o relatório da insolvência da Galilei foi aprovado. O Estado tinha 1.300 milhões de euros a recuperar da Galilei. 

 

A SLN Valor era, até 29 de Março, liderada por Alberto Figueiredo, que era accionista também da antiga SLN, e contava, também até essa data, ainda com quatro vogais da administração (António Cavaco, Fernando Cordeiro, Lina Araújo e Patrícia Rosa), de acordo com informações constantes no Portal de Justiça. Não há informações publicadas sobre quem é a nova liderança da sociedade através da qual Oliveira Costa mantinha o controlo sobre toda a esfera do BPN, como indiciou o Ministério Público nas investigações feitas à gestão do banco, nacionalizado em 2008.




A sua opinião8
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 2 semanas


Um governo de ladrões

PS - PCP - BE - ROUBAM OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO


Novas pensões mínimas serão sujeitas a prova de rendimento...

para se gastar mais dinheiros com os subsídios às pensões douradas da CGA.


(As pensões da CGA são subsidiadas em 500€, 1000€, 1500€ e mais, por mês.

Estas pensões sim, devem ser sujeitas a condição de recursos.

E não as mínimas.)

comentários mais recentes
Jaime Fonseca Há 2 semanas

E o Camilo não comenta??????

Eduardo Nuno Barros Mascarenhas Há 2 semanas

e este valor já está no orçamento do ano que vemo para abater o déficit

Anónimo Há 2 semanas


Um governo de ladrões

FP . CGA – 40 ANOS A ROUBAR OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO


PARA A ESQUERDA, os trabalhadores do privado servem apenas para pagar cada vez mais impostos, para sustentar as benesses e os privilégios da FP e da CGA.

Os salários dos trabalhadores do privado desceram imenso nos últimos anos... enquanto no público vão igualar o seu máximo de sempre, já este mês de outubro.



Anónimo Há 2 semanas


Um governo de ladrões

PS - PCP - BE - ROUBAM OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO


Novas pensões mínimas serão sujeitas a prova de rendimento...

para se gastar mais dinheiros com os subsídios às pensões douradas da CGA.


(As pensões da CGA são subsidiadas em 500€, 1000€, 1500€ e mais, por mês.

Estas pensões sim, devem ser sujeitas a condição de recursos.

E não as mínimas.)

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub