Auto-estradas
Soares da Costa negoceia venda de concessão na Costa Rica
13 Setembro 2012, 08:53 por Jornal de Negócios Online | negocios@negocios.pt
2
Enviar por email
Reportar erro
0
Espanhóis da Globavía interessados na aquisição da participação do grupo português tem na Costa Rica Autopistas del Sol.
Os espanhóis da Globalvía, o segundo maior grupo mundial de concessões, estão interessados em adquirir a posição minoritária que a Soares da Costa detém numa concessionária de auto-estradas na Costa Rica, noticia o Diário Económico.

Citada pelo jornal, fonte da construtora portuguesa disse "a Globalvía já manifestou a aspiração de se tornar maioritária, o que é aliás confirmado pelas declarações do seu presidente Juan Béjar ao "Expansión", mas não houve qualquer acordo sobre uma venda da posição da Soares da Costa".

O jornal "Expansión" noticiou ontem que "a Globalvía, um dos maiores grupos de infra-estruturas de Espanha, está há meses a negociar com os seus sócios em várias auto-estradas com portagem no exterior e em Espanha para comprar as suas participações e converter-se no maior accionista de controlo dos activos".

O jornal adianta que as negociações entre os dois grupos incidem na concessionária de auto-estradas da Costa Rica Autopistas del Sol, onde a Globalvía detém 48% e a Soares da Costa 17%. Os restantes 35% são da Sacyr. A concessão explora a auto-estrada entre San José, capital da Costa Rica, e Caldera, numa extensão de 78 quilómetros, e vigora até 2032.

A Globalvía é detida em 50% pelo grupo construtor espanhol FCC, controlado por Esther Koplowitz, e pelo Bankia, e tem actualmente 400 milhões para investir em auto-estradas.

A Soares da Costa tem em curso um plano de desinvestimento, tendo já anunciado esperar para 2013 a concretização de operações de venda de activos. No entanto, na apresentação dos resultados do primeiro semestre, António Castro Henriques, presidente eexcutivo do grupo, admitiu que alguns dossiês estão mais avançados, podendo vir a haver notícias no final deste ano ou início do próximo. uma vez quenalguns casos já houve propostas que estão a ser analisadas.
2
Enviar por email
Reportar erro
0
pesquisaPor tags:
alertasPor palavra-chave: