Empresas Sobrinho de Xanana veste Boavista

Sobrinho de Xanana veste Boavista

Os equipamentos do Boavista são agora assinados pela BLK, marca australiana adquirida, em Janeiro passado, por Nilton Gusmão, sobrinho do antigo líder timorense Xanana e que é considerado um dos homens mais ricos do país. É dono da petrolífera Esperança Timor Oan (ETO).
Sobrinho de Xanana veste Boavista
Nilton Gusmão é dono da petrolífera ETO e considerado um dos homens mais ricos de Timor-Leste.
Rui Neves 16 de junho de 2017 às 14:16

Nilton Gusmão tornou-se adepto e sócio do Boavista em 2001, na sua primeira visita a Portugal e precisamente no ano em que o clube do Bessa se sagrou campeão nacional de futebol. A paixão do sobrinho de Xanana pelos axadrezados estava estampada nas camisolas dos "panteras negras", pois estas faziam-lhe lembrar as da selecção de Timor nos anos 70.

 

E é precisamente essa camisola timorense que, uma dúzia e meia de anos depois, serviu de inspiração ao novo equipamento do Boavista para a próxima época futebolística. O uniforme segue o clássico modelo xadrez em preto e branco, mas os quadrados são maiores do que o costume.

 

O que é que Nilton tem que ver com o novo vestuário do Boavista? Tudo. A marca australiana de equipamentos desportivo BLK (Beyond Limits Known), que o empresário timorense adquiriu, em Janeiro passado, em sede de liquidação da empresa, é a nova assinatura das camisolas dos axadrezados.

 

"O Boavista assinou uma parceria com a BLK, como novo ‘technical sponsor’ que cobre as suas necessidades de vestuário e ‘merchandising’", anunciou o clube liderado por João Loureiro, em comunicado.

 

Conhecida por equipar várias equipas de râguebi, a BLK escolheu o Boavista como porta de entrada no mundo do futebol e, sobretudo, como montra da sua estratégia de expansão no mercado europeu.  

 

"Como um dos clubes mais proeminentes do futebol português e europeu, esta assinatura estabelece uma nova referência para a BLK e uma oportunidade para mostrar a qualidade e amplitude de nossa oferta de produtos para o maior público possível", afirma Tyron Brant, director executivo da BLK International.

 

A selecção de Timor nos anos 70 serviu de inspiração ao novo equipamento do Boavista para a próxima época futebolística.
A selecção de Timor nos anos 70 serviu de inspiração ao novo equipamento do Boavista para a próxima época futebolística.

Dono da petrolífera ETO e na corrida à Timor Telecom

 

A compra da BLK por Nilton Gusmão foi realizada através da sua petrolífera Esperança Timor Oan (ETO), empresa criada no ano 2.000 para fornecer combustível para a secção de logística do contingente militar australiano que então integrava as forças da ONU em Timor-Leste.

 

A ETO dedica-se à importação, distribuição e venda de combustíveis, sendo a principal fornecedora das centrais eléctricas do país, mantendo a ambição de vir a participar na exploração do Mar de Timor, constituindo-se como um dos compradores da produção nacional de petróleo e gás natural.

 

A aquisição da BLK faz parte da estratégia empresarial de Nilton Gusmão de ir além do sector da energia. A diversificação da sua paleta de negócios começou em 2006, quando fundou a G&S – Gilman & Serafim, Lda. na área da construção, e novos investimentos na indústria do betão e ainda na área do imobiliário.

 

Mais recentemente, a ETO entrou na corrida à compra da participação da brasileira Oi na Timor Telecom (TT), onde ficaria com o capital maioritário.

 

Em causa está a maior fatia de capital da TT (54,01%), controlada pela sociedade Telecomunicações Públicas de Timor (TPT) onde, por sua vez, a Oi controla 76% do capital, a que se soma uma participação directa da PT Participações SGPS de 3,05%.

 

Sobrinho de Xanana Gusmão, antigo presidente e primeiro-ministro de Timor-Leste, Nilton é presidente da Liga de Futebol de Timor e considerado um dos homens mais ricos do país.

 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub