Telecomunicações Sócrates: Oposição do Governo à OPA da Sonae à PT é “uma descarada mentira"

Sócrates: Oposição do Governo à OPA da Sonae à PT é “uma descarada mentira"

Em resposta à reportagem do Público, o antigo primeiro-ministro nega ainda que tenha sido o Governo a “sugerir a parceria com a empresa Oi”. E garante que as reuniões com Salgado foram só a pedido do banqueiro.
Sócrates: Oposição do Governo à OPA da Sonae à PT é “uma descarada mentira"
Negócios 17 de agosto de 2017 às 09:34

"É falso que o Governo da altura, e em particular eu próprio, como primeiro-ministro, se tenha oposto à OPA [Oferta Pública de Aquisição] da Sonae. Este é um embuste que a Sonae, o Ministério Público e os jornais afectos repetem com frequência, não deixando, por isso, de ser uma descarada mentira". É assim que José Sócrates reage à investigação publicada na edição de quarta-feira do Público sobre os negócios realizados nos último anos que levaram a toda-poderosa PT a passar a subsidiária do Grupo Altice.

Num artigo de opinião publicada esta quinta-feira, o antigo primeiro-ministro alega que "é igualmente falso que tenha sido o Governo a sugerir a parceria com a empresa Oi", que neste momento está em recuperação judicial. Segundo Sócrates, a decisão de entrar no capital desta operadora brasileira foi "da exclusiva responsabilidade da administração da PT, tendo as negociações entre as duas entidades decorrido com total autonomia empresarial", negando, assim, "o ‘patrocínio de S. Bento’".

Ainda no âmbito da fusão com a Oi, que devido à polémica dívida de 897 milhões de euros da Rioforte teve de ser renegociada, Sócrates aponta que as "diversas etapas" da operação aconteceram na vigência do Governo que o sucedeu, "sem que este tivesse levantado qualquer objecção, podendo fazê-lo, nomeadamente, através da participação que ali detinha através da CGD". Um ponto que para Sócrates "não vem ao caso", na reportagem.

Aliás, a expressão "não vem ao caso" é utilizada em quase todos os pontos elencados por José Sócrates no artigo, 11 no total. A frase foi proferida por várias vezes pelo juiz brasileiro Sérgio Moro quando surgia algum facto que pudesse pôr em causa a tese da culpabilidade do Presidente Lula da Silva, conforme explica Sócrates no mesmo artigo.

José Sócrates, que é arguido na Operação Marquês por suspeitas de crimes de corrupção entre outros, aproveitou o artigo para falar ainda "sobre essa estranha patranha" da sua "alegada proximidade com o Dr. Ricardo Salgado". Começa por dizer que teve e tem "consideração" por Ricardo Salgado, mas nunca foi "seu próximo nem fazia parte do seu círculo de amigos".

O antigo governante alega ainda que enquanto foi primeiro-ministro nunca o visitou "No seu banco", nem foi "a sua casa". "As reuniões que tivemos sempre foram a seu pedido no meu gabinete. A nossa relação sempre foi cordial e institucional, apesar do diferendo público relativo às nossas posições a propósito do veto do Governo à da saída da PT do Brasil", acrescentou, referindo-se à venda da participação da OT na Vivo à Telefónica.




A sua opinião30
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Luis Há 6 dias

Este mentiroso compulsivo não para de atirar areia para os olhos das pessoas. A grande desgraça que hoje se abate sobre nós resulta da generalização da corrupção. E o enredo é tal que parece não haver maneira da acusação sair à luz do dia. Enquanto não virarmos a página da corrupção seremos um País adiado.

comentários mais recentes
Anónimo Há 5 dias

Gostei do artigo de Henrique Monteiro, não se pode aceitar pressões sobre os orgãos de comunicação social. Mas senhor Monteiro sabe-me dizer quantas vezes os jornalistas são pressionados pelos Diretores de Inf e até por colegas para não editar um texto? Quem matou o jornalismo de investigação?

Isto é o monstro do cavaquismo,a destruir. Há 6 dias

Erro de palmatória fostes salvar o cavaquismo no BPN,e eles em vez de agradecer, deitam o fogo.com as bancas rotas . o roubo da quadrilha do BPN não contribui para a banca rota,mas eles a que tem o dinheiro,aqui na minha aldeia tenho um ladrão do BPN e vive feliz como o seu Padrinho.Hipócritas saloi

Lopes Há 6 dias

Excelente!
http://leitor.expresso.pt/#library/expressodiario/17-08-2017/caderno-1/opiniao/socrates-para-que-nao-se-esqueca-1

Os aqui acusadores Há 6 dias

Aqui Pessoas que parece não ter dúvidas a incriminar o Sócrates, que sabem mais que os Investigadores, Não haverá Lei que obrigue estes testemunhas a ir a Tribunal com as suas Certezas provar o que aqui afirmam, resolvia assim o Problema á Justiça, agora é fácil saber quem está por trás do Nick.

ver mais comentários
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub