Banca & Finanças Solução do papel comercial duplica recuperação possível no BES "mau"
Assinatura Digital. Negócios Primeiro Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE

Solução do papel comercial duplica recuperação possível no BES "mau"

Se fossem reconhecidos como credores do BES “mau”, os clientes com papel comercial iriam receber 31,7%. A solução promovida pelo Governo garante quase o dobro.
Solução do papel comercial duplica recuperação possível no BES "mau"
Miguel Baltazar/Negócios
Diogo Cavaleiro 22 de dezembro de 2016 às 00:01

Os clientes do Banco Espírito Santo visados pela solução do papel comercial são credores da ESI e da Rioforte. Na liquidação do BES "mau", que já foi iniciada, estes investidores pretendem que a provisã

Assinatura Digital. Negócios Primeiro
Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
Análise, informação independente e rigorosa.
Para saber o que se passa em Portugal e no mundo,
nas empresas, nos mercados e na economia.
  • Inclui acesso ao ePaper, a versão do Negócios tal como é impresso em papel. Veja aqui.
  • Acesso ilimitado a todo o site negocios.pt
  • Acesso ilimitado via apps iPad, iPhone, Android e Windows
Saiba mais



A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
miguelreislx 22.12.2016

Tenho muita consideração pelo Diogo Cavaleiro. Mas esta análise assenta em informação incorreta.
Os portadores de papel comercial não são credores do BES. Só o seriam se propusessem ações alegando que tinham sido enganados e se o BES fosse condenado a pagar indemnizações.
São credores da Rioforte e da ESI e, como tal, têm que reclamar créditos nas respetivas falências.
Se não obtiverem o pagamento da totalidade, têm o direito de exigir o pagamento do remanescente ao Novo Banco, porque foram transferidas para este as provisões constituídas.
E o que sobrar tem que ser devolvido á massa insolvente do Banco Espirito Santo.
Não é claro que este processo de liquidação do Banco Espirito Santo vá até ao fim pois que foi impugnado o despacho de prosseguimento e há um recurso pendente no Tribunal da Relação de Lisboa.

Notícias só para Assinantes
Exclusivos, análise, informação independente e credível. Para saber o que se passa em Portugal e no mundo, nas empresas, nos mercados e na economia. Inclui acesso à versão ePaper.
Mais uma forma de ler as histórias
da edição impressa do Negócios.
Se ainda não é Assinante Saiba mais
pub
Notícias Relacionadas
pub
pub
pub