Turismo & Lazer Solverde atrai jogadores chineses para o casino online

Solverde atrai jogadores chineses para o casino online

O grupo que detém os casinos de Espinho, Vilamoura, Praia da Rocha, Monte Gordo e Chaves criou versão chinesa para a plataforma na Internet lançada em Setembro, usando também o mandarim no serviço de apoio ao cliente.
Solverde atrai jogadores chineses para o casino online
António Larguesa 07 de novembro de 2017 às 12:40

O Grupo Solverde decidiu lançar uma versão do casino online dirigida à comunidade chinesa de jogadores, procurando desta forma "ultrapassar as barreiras linguísticas das plataformas de jogo", de acordo com a informação prestada ao Negócios.

 

Apresentado pelo grupo liderado pelos irmãos Manuel e Celeste Violas como um serviço "pioneiro" em Portugal, esta aposta nos jogadores chineses estende-se também ao serviço de apoio ao cliente, que vai permitir esclarecer dúvidas em mandarim.

 

A disponibilização da versão chinesa, que se junta à portuguesa e à inglesa, surge pouco mais de um mês depois do lançamento oficial desta que é a sexta plataforma de jogo da Solverde, que tem a campanha de comunicação "A sorte está nas suas mãos" a passar na televisão, rádio, imprensa, digital e outdoors. Em alguns desses suportes, a mensagem é bilingue.

 

 

Foi a 4 de Setembro deste ano que o Serviço de Inspecção e Regulação de Jogos do Turismo de Portugal emitiu a autorização para, também na Internet, a Solverde explorar jogos de fortuna e azar, nomeadamente jogos de máquina e roleta francesa. A dona dos casinos de Espinho, Vilamoura, Monte Gordo, Praia da Rocha e Chaves recebeu então a décima licença para o jogo online, autorização que entretanto também foi atribuída à Cofina.


Em 2016, o grupo Solverde já tinha dado conta da sua intenção de abrir o casino online até ao final desse ano, uma meta que acabou por ser transferida para 2017. Nessa altura, previa investir dois milhões de euros e criar 40 postos de trabalho com esta nova modalidade na Internet, onde entrou sem parceiros.

 

A recuperar receitas "offline"

 

Nos primeiros nove meses do ano, ainda sem o contributo desta plataforma, a evolução das receitas dos cinco casinos do grupo esteve em linha com o agregado do sector. Inaugurado em 1974, o de Espinho cresceu 4,4% neste período, para 34,6 milhões de euros; o de Chaves (o mais recente, abriu portas em 2008) subiu 4,7%, para seis milhões de euros; e nas três unidades do Algarve, o aumento das receitas ascendeu a 5,1%, para um total agregado de 26 milhões de euros.

 

Com uma facturação de 101 milhões de euros, a Solverde voltou aos lucros no ano passado, que rondaram os 2,4 milhões de euros, de acordo com o relatório e contas mais recente. O documento referia uma "melhoria dos níveis de actividade tanto na área de jogo como no sector da hotelaria", em que detém quatro unidades, localizadas em Espinho, Vila Nova de Gaia, Portimão e Chaves.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub