Indústria Sonae Capital compra Adira por pelo menos 9 milhões

Sonae Capital compra Adira por pelo menos 9 milhões

A empresa liderada por Cláudia Azevedo assinou um acordo para comprar a empresa de moldagem de metal com origem no Porto. Ao valor de compra das acções acresce uma componente variável em função da performance da empresa.
Sonae Capital compra Adira por pelo menos 9 milhões
Miguel Baltazar
Paulo Zacarias Gomes 09 de junho de 2017 às 17:49
A Sonae Capital anunciou esta sexta-feira, 9 de Junho, a compra de 100% da empresa de moldagem de metal Adira e da sua participada Guimadira, um negócio avaliado em pelo menos 9 milhões de euros.

Em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a empresa liderada por Cláudia Azevedo (na foto) refere que além do valor na compra das acções (os 9 milhões) o negócio inclui uma componente variável e diferida (não especificada) em função da performance da empresa nos próximos quatro anos. 

A compra - cujo contrato-promessa foi celebrado hoje - é feita através de uma subsidiária da Sonae Capital e está sujeita a decisão da Autoridade da Concorrência.

"Com esta aquisição, e com o desenvolvimento de cada uma das áreas de negócio já existentes, o Grupo Sonae Capital prossegue a trajectória de concretização do seu propósito estratégico e posiciona-se como um veículo privilegiado de criação de valor, com base no desenvolvimento e alavancagem das vantagens competitivas portuguesas," lê-se no comunicado.

A Adira, com mais de 60 anos de existência - foi fundada no Porto em 1956, sendo o nome derivado do do fundador, António Dias Ramos -, desenvolve, produz e vende máquinas-ferramentas, encaminhadas na maioria para exportação. No final do ano passado, de acordo com a Sonae Capital, tinha uma dívida líquida de 6,7 milhões de euros.

Actualmente, de acordo com o site da empresa, a companhia é liderada por António Cardoso Pinto, que se tornou accionista em 2008.

As acções da Sonae Capital fecharam a sessão a cair 0,81% para 0,861 euros.



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub