Energia Sonae Capital conclui compra de fotovoltaica no Alentejo

Sonae Capital conclui compra de fotovoltaica no Alentejo

Com a luz verde da Concorrência, a empresa liderada por Cláudia Azevedo aumenta para dez o número de infra-estruturas de produção de electricidade através de tecnologia fotovoltaica.
Sonae Capital conclui compra de fotovoltaica no Alentejo
Paulo Zacarias Gomes 05 de junho de 2017 às 19:05

A Sonae Capital anunciou esta segunda-feira, 5 de Junho, que concluiu a compra de um parque fotovoltaico no Alentejo, depois de a decisão de não oposição da Autoridade da Concorrência ter tornando efectivo um investimento de 29,1 milhões de euros.

Em causa está, de acordo com o comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a compra do total da Ventos da Serra - Produção de Energia, S.A., levada a cabo pela CapWatt, SGPS, S.A.

O parque fotovoltaico, com potência instalada de 10MW e localizado em Ferreira do Alentejo, passa assim a integrar a carteira de activos de geração de electricidade a partir de fontes renováveis (solar e eólica), elevando para 10 o número de centrais fotovoltaicas geridas.

Além disso, o grupo detém ainda 12 centrais de cogeração e 1 parque eólico em Portugal, totalizando os 73 MW de capacidade instalada. 

A compra da Ventos da Serra tinha sido anunciada a 27 de Abril, data em que também deu conta da aquisição da Lusobrisa – Produção de Energia Eléctrica, com um parque eólico em Loures e Arruda dos Vinhos. Neste caso, a compra de 5,4 milhões de euros da infra-estrutura com potência instalada de 5MW tornou-se efectiva no imediato, já que não estava sujeita a quaisquer autorizações prévias.

As acções da Sonae Capital, liderada por Cláudia Azevedo (na foto) fecharam a sessão desta segunda-feira a cair 0,45% para 0,882 euros.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub