Bolsa Sonae Indústria diz adeus à vida de "penny stock"

Sonae Indústria diz adeus à vida de "penny stock"

Cada grupo de 250 acções passa a ser apenas 1 título na segunda-feira. Esta sexta é o último dia para organizar as carteiras. As acções sobrantes darão 0,79 cêntimos.
Sonae Indústria diz adeus à vida de "penny stock"
Ricardo Castelo
Diogo Cavaleiro 28 de julho de 2017 às 07:00
A Sonae Indústria deixa de estar cotada em cêntimos esta sexta-feira. Na segunda-feira, já estarão agrupadas 250 acções. A empresa reduz o número de acções, mas cada uma valerá mais.

Em causa está um reagrupamento de acções da Sonae Indústria: juntando-se 250 das acções existentes chega-se a uma só nova acção representativa da empresa industrial. Ou seja, 1.000 títulos que estejam actualmente a negociar passam, na segunda-feira, a ser apenas quatro acções. Com essa diminuição, o preço das novas acções será a soma do valor de cada um dos títulos antigos: ou seja, tendo em conta o preço de fecho de 0,91 cêntimos desta quinta-feira, cada acção nova cotará nos 2,275 euros. O preço final do reagrupamento será definido no fecho de sessão de sexta.

"Com esta operação a acção da Sonae Indústria deixará de ser uma ‘penny stock’ (este facto é entendido pela empresa como favorável para o título)", indicou a companhia de aglomerados de madeira ao Negócios a 14 de Julho, depois de ter apresentado os pormenores sobre a operação. Desde o aumento de capital do final de 2014 que a companhia industrial negoceia na casa de 1 cêntimo.

A empresa que tem Belmiro de Azevedo, através da Efanor, com 69% do capital vai dar uma contrapartida pelas acções que não sejam fusionadas: isto porque a fusão só acontece a blocos de 250 acções e seus múltiplos. Se um investidor tiver, por exemplo, 251 acções, fica com 1 nova acção, resultante da junção de 250 títulos antigos, e a Sonae Indústria tem de pagar uma contrapartida de 0,79 cêntimos pela sobrante. A empresa desconhece que montante terá de desembolsar para pagar pelas acções sobrantes que eventualmente possam ficar nas mãos dos investidores, até porque não tem informação directa sobre o número de accionistas. Nos últimos tempos, refere, contavam-se entre 15 e 20 mil accionistas.

Esta sexta-feira é a última sessão que os accionistas têm para reagrupar os seus títulos para ficar com múltiplos de 250, caso não queiram ficar com acções sobrantes nas carteiras. De resto, este tipo de operação não exige qualquer movimento por parte do investidor: "O processo de reagrupamento das acções Sonae Indústria será efectuado de forma automática pelos respectivos intermediários financeiros, não sendo necessário que os senhores accionistas tomem qualquer iniciativa", garantiu já a empresa. A operação segue-se a uma redução de mais de dois terços do capital, que serviu para cobrir prejuízos passados da empresa.




A sua opinião14
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

O BCP foi mais modesto 75=1, o pior é que continua "pénis" 0,24 € e os pequenos accionistas encavados.

Anónimo Há 1 semana

Não percebo como é que esta empresa falida continua cotada em Bolsa ?

rg Há 3 semanas

Não será com esta estratégia parola que a empresa subirá ao psi-20 ...

Juca Há 3 semanas

Pelos vistos o Belmiro Sonae tenta segurar os 69%... apesar de se verificar que já lá vai com dificuldade.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub