Comércio Sonae nega interesse nos activos da Walmart para regressar ao Brasil

Sonae nega interesse nos activos da Walmart para regressar ao Brasil

"Podemos dizer que não estamos envolvidos neste tema", refere fonte oficial da Sonae, desmentindo assim a notícia que dava conta do interesse da empresa na aquisição da Walmart Brasil.  
Sonae nega interesse nos activos da Walmart para regressar ao Brasil
Nuno Carregueiro 14 de fevereiro de 2018 às 12:01

A Sonae SGPS não está interessada na aquisição dos activos da Walmart no Brasil. A empresa desmentiu oficialmente a notícia avançada esta quarta-feira, 14 de Fevereiro, pelo jornal brasileiro Valor Econômico que dava conta que a Sonae estava a estudar a operação de compra da Walmart Brasil, citando próximas da operação.

 

"A Sonae não tem por política comentar especulações de mercado. No entanto podemos dizer que não estamos envolvidos neste tema", refere fonte oficial da empresa portuguesa, numa declaração enviada ao Negócios.

 

Em 2005 a Sonae saiu do negócio do retalho brasileiro com a venda da operação aos norte-americanos da Walmart. Segundo o jornal brasileiro, um dos mais influentes do país, a Sonae estava a estudar a operação de compra, sendo que as negociações envolveriam a participação de fundos de "private equity", que também podem entrar na operação através da injecção de parte do capital.

 

A Walmart, que é a maior retalhista do mundo, pretende reduzir a sua exposição ao mercado brasileiro, tendo como opções a venda de 100% do negócio ou a entrada de um parceiro no capital da Walmart Brasil.

  

A Sonae já está presente no Brasil, mas apenas no negócio dos centros comercias através da Sierra, após ter vendido as 140 lojas em 2015 por 1,7 mil milhões de reais.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
pub