Empresas Sonae RP faz operação de "sale and leaseback" de 34,7 milhões

Sonae RP faz operação de "sale and leaseback" de 34,7 milhões

A participada que gere o imobiliário de retalho do grupo Sonae alienou quatro activos de retalho alimentar em Portugal. Deixou de ser proprietária mas manteve-se como inquilina, numa operação que o mercado qualifica de "sale and leaseback".
Sonae RP faz operação de "sale and leaseback" de 34,7 milhões
Paulo Duarte
Negócios 25 de julho de 2017 às 23:03

A Sonae RP concluiu, esta terça-feira, 25 de Julho, a operação de venda e posterior arrendamento (sale and leaseback) de quatro activos de retalho alimentar localizados em Portugal, informou a Sonae SGPS em comunicado à CMVM.

 

"Esta operação totalizou 34,7 milhões de euros e gerou um ganho de capital estimado de 10,3 milhões de euros. Com efeito, o nível de detenção de activos de retalho (freehold) da Sonae MC [sub-holding de retalho alimentar da SGPS] passou a situar-se em 48%", acrescenta o documento

 

A Sonae recorda ainda que esta operação está em linha com a estratégia que anunciou, de "monetização dos seus activos imobiliários, mantendo, ao mesmo tempo, um adequado nível de flexibilidade operacional".

 

Na sessão bolsista desta terça-feira, a cotada dona dos hipermercados Continente, e das cadeias especializadas Worten e SportZone, encerrou a ganhar 0,31% para 0,965 euros.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
J. SILVA 26.07.2017

A SONAE, SGPS vale 1/6 da JM, o que me parece excessiva. No entanto verifica-se que o Grupo SONAE, apesar das boas graças da imprensa, tem sido mal gerida e tem problemas. (i) elevado endividamento (ii)estrutura pesada e onerosa; (iii) rentabilidade baixa e esta má operação resulta desses problemas.

pub