Empresas Sonae supera previsões com aumento de 23% nos lucros

Sonae supera previsões com aumento de 23% nos lucros

A empresa liderada por Paulo Azevedo beneficiou com o aumento das receitas no retalho e com a descida do endividamento, que reduziu os custos financeiros.
Sonae supera previsões com aumento de 23% nos lucros
Bruno Simão
Nuno Carregueiro 16 de março de 2017 às 07:10

A Sonae SGPS fechou 2016 com um resultado líquido atribuível aos accionistas de 215 milhões de euros, o que traduz um aumento de 22,7% face ao obtido em 2015.

 

O valor superou as estimativas dos analistas, que apontavam para lucros de 180 milhões de euros, tendo em conta a média das previsões do CaixaBI, Fidentiis e Barclays.

 

A melhoria dos resultados líquidos ficou a dever-se à evolução positiva de quase todas as linhas da demonstração de resultados, com destaque para a subida das receitas, aumento do EBITDA e descida dos prejuízos financeiros.

 

O volume de negócios aumentou 7,2% para 5.376 milhões de euros, sendo que o EBITDA progrediu 5,9% para 419 milhões de euros. A margem recuou uma décima para 7,7%.

 

A Sonae destaca em comunicado que que a subida das receitas beneficiou com o "desempenho dos negócios de retalho", área de negócio onde as receitas subiram 5,6% devido ao crescimento orgânico (1,9%) e aumento do número de lojas (1 hipermercado Continente, 25 Continente Bom Dia e 77 lojas Meu Super). A empresa destaca que nos últimos três meses do ano passado as receitas da Sonae MC superaram os mil milhões de euros, o que acontece pela primeira vez num trimestre.

 

No retalho não alimentar (Sonae SR) o volume de negócios aumentou 11,1%, "suportado pela Worten e pela divisão de Sports and Fashion". No aumento do EBITDA a Sonae destaca "o crescimento da rentabilidade da Sonae SR, o investimento em preço e na expansão do parque de lojas da Sonae MC e a contribuição positiva da rúbrica de itens não recorrentes, nomeadamente os ganhos de capital em operações de sale and leaseback".

 

Dívida baixa e investimento aumenta

 

A Sonae investiu 437 milhões de euros no ano passado, o que representa um crescimento de 137 milhões de euros.

 

A empresa atribui este aumento sobretudo à Sonae MC, que "acelerou a expansão do parque de lojas", mas também à Sonae SR, "que concretizou a aquisição da Salsa" e à Sonae IM, "que efectuou aquisições na área de tecnologia, nomeadamente a InovRetail e a Armiliar Venture Partners".

 

Apesar do aumento do investimento, a Sonae baixou a sua dívida em 2016, fruto do "ambicioso programa de refinanciamento com o objectivo de reforçar a sua estrutura de capital". A empresa liderada por Paulo Azevedo refinanciou mais de mil milhões de euros de dívida depois de ter lançado um concurso formal com um grupo de bancos locais e internacionais.

 

Consegui desta forma aumentar o perfil de maturidade média da dívida, que se manteve acima de 4 anos, e baixas os custos financeiros, com os resultados negativos a melhorarem de -57 para -46 milhões de euros.

 

Já a dívida líquida baixou 6% para 1.215 milhões de euros. "A Sonae continuou a cumprir o objectivo de não possuir necessidades de refinanciamento para os 18 meses seguintes tendo, ao mesmo tempo, melhorado as suas condições gerais de financiamento", refere a empresa em comunicado.

 

No comunicado com a apresentação de resultados, a Sonae assinala ainda que terminou o ano com mais de 40 mil colaboradores, tendo ao longo do ano criado mais de 2 mil postos de trabalho. "Esta criação de emprego traduz o crescimento das áreas de negócios da Sonae, que conseguiram conquistar a confiança dos seus clientes e expandir-se tanto em Portugal como no exterior", refere o comunicado.

 

Ângelo Paupério, Co-CEO da Sonae, assinala que "o ano de 2016 foi para a Sonae um ano de significativo progresso no desenvolvimento da estratégia corporativa e das diferentes áreas de actividade, com resultados muito relevantes em termos de crescimento e reforço das posições competitivas dos principais negócios".




A sua opinião11
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 1 semana

De qualquer forma milhões de trabalhadores serão dispensados com estas tecnologias. Porém, se o desenvolvimento tecnológico (DT) exige trabalhadores mais qualificados também dá origem à desqualificação do trabalho de muitos outros: "Dizem-nos que os trabalhadores a quem a maquinaria torna desnecessários encontram novos ramos em que trabalhar (…) uma massa de trabalhadores expulsos de um ramo industrial não vai encontrar refúgio noutro a não ser com salários mais baixos, piores". (Marx, Trabalho assalariado e capital)

Os defensores desta "revolução digital" não deixam de exigir que seja servida por "pessoal qualificado e flexível", quem não se adaptar enfrentará "o desemprego e a desigualdade salarial". Nos planos do patronato o conceito de segurança no emprego tem de ser eliminado. O trabalhador tem de estar preparado para mudar de empresa, ter horário parcial, estar no desemprego.

comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

É pena é terem tantos lucros e pagarem uma miséria aos trabalhadores...

Anónimo Há 1 semana

Peço desculpa pelo lapso que tive no comentário que publiquei ao mencionar o valor da Sonae a mais de "2 cêntimos" e desceu para ; ,35 , Queria dizer a mais de 2 Euros e desceu para ; ,35 cêntimos. Penso que todos entenderam mas aqui vai a correção. É claro que só compra e arrisca quem quer , mas que é das ações mais imprevisíveis e perigosas que está no PSI20 é . Em minha opinião os Empresários que mais respeito tem tido pelos pequenos acionistas é a Jerónimo Martins, o grupo engorda, engordam todos e o grupo da Semapa tem tido bom comporrtamento, mas não sei se continuará assim, Tambem é Português.

Anónimo Há 1 semana

Não se iludam pequenos acionistas. A Sonae só existe para enriquecer o Belmiro e mais uns tantos ligados a ele e os pequenos acionistas são para servir de alimentadores do sistema e ficarem sem a massa e a pele caso se descuidem. Lembram-se da Sonae industria a mais de 11 euros e veio para um cêntimo? depois foi ao aumento de capital a 1 cêntimo e de seguida perdeu 50%? lembram-se da sonae a mais de 2 cêntimos e desceu para ; ,35 e já andamos nisto para baixo e para cima e não descola. O Bpi diz que vale 1,4 e tal mas depois a ação começa logo a descer.. A Sonae é assim è só sacar os pequenos acionistas, o resto são cantigas. Pensem nisto, Hoje a Sonae vale mais do que valia quando estava a 2 € julgo eu,, mas porque não sobe? digam-me se souberem.

SABONETE BANHA COBRA Há 1 semana

Como sempre, defendo que esta empresa é uma das mais robustas da BVL! Os resultados e os investimentos falam por si! Estou certo na minha opinião que no futuro vai ser um caso sério.Parabéns a todos os colaboradores deste grande gigante aglomerado.

ver mais comentários
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub