Banca & Finanças S&P: “Iremos avaliar a capacidade da nova gestão da CGD”

S&P: “Iremos avaliar a capacidade da nova gestão da CGD”

A Standard & Poor’s divulgou uma nota sobre a situação da Caixa Geral de Depósitos e manteve o “rating” sob avaliação com implicações positivas.
S&P: “Iremos avaliar a capacidade da nova gestão da CGD”
David Martins/Correio da Manhã
Rui Barroso 30 de Novembro de 2016 às 16:32

A Standard & Poor’s continua com o "rating" da Caixa Geral de Depósitos sob avaliação com implicações positivas, processo que se iniciou em Agosto após o anúncio do princípio de acordo com Bruxelas para a recapitalização do banco público. Mas lança alguns alertas sobre a conclusão atempada do processo de recapitalização e que terá de avaliar a capacidade da futura gestão em prosseguir com os objectivos estratégicos.

A agência refere que apesar da demissão de António Domingues e de outros administradores, "o acordo de princípio anunciado em Agosto continua e o Governo está a trabalhar para encontrar uma equipa substituta para a gestão da CGD". Mas, numa nota divulgada esta quarta-feira, revela que irá "avaliar a capacidade da nova gestão em cumprir atempadamente os objectivos estratégicos da CGD e a melhoria da rentabilidade e qualidade dos activos".

Outro factor a que a S&P estará atenta, "monitorizando de perto", é "se os recentes desenvolvimentos resultarão em alterações estratégicas ao plano de recapitalização já anunciado, incluindo o prazo que será necessário para se materializar".

Assim, a S&P continua a admitir uma eventual subida do "rating" após o período de avaliação. Isto depois de esta terça-feira, a DBRS ter colocado a notação do banco público sob vigilância negativa após a demissão de António Domingues e o atraso no processo de recapitalização. A agência canadiana classifica a CGD em BBB (baixo), um nível acima do patamar visto como "lixo" pelos mercados. Mas ameaça cortar o "rating" caso os problemas de governo societário se reflictam na confiança dos investidores e na rentabilidade do banco.

Já a S&P tem um "rating" de BB-, três patamares abaixo de grau de investimento. O facto de ter a notação sob revisão com implicações positivas até indicia a possibilidade da classificação da Caixa junto da S&P melhorar. Mas essa decisão "continua a depender da aprovação formal do plano de recapitalização da CGD por parte da Comissão Europeia e dos detalhes específicos no montante e na utilização da injecção de capital". 




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado JCG Há 3 dias

Arranjar uma tão boa como a anterior creio que não será difícil.
Um gestor subalterno, de 2ª linha, mais uma data de rapazes por ele escolhidos alguns dos quais nunca geriram nada nem tinha currículo básico suficiente (é por isso que o BCE os mandou estudar).

comentários mais recentes
Anónimo Há 3 dias

Nao pecam o cadastro deles.ele esta destinado aos trezes cachimos da paz(tc),quanto ao resto basta ver o que os bancos fizeram desde 74 do passado seculo ate aos dias de hoje.

JCG Há 3 dias

O que vejo por aqui é preocupante e enoja-me: uma corja de varredores para baixo do tapete.

Não lhes importam os factos desde que não se fale neles.

Incomodam-se com as notícias e com os mensajeiros em vez de se preocuparam com os factos noticiados.

E depois armam-se em espertos estrategistas. Metam as vossas habilidades de estrategas onde vos der mais prazer e preocupem-se antes com os factos e com os limites da ética e dos valores efetivos.

Todos em manadas de papagaio a elogiar as superiores capacidades de gestor do gangue do Domingos sem que sequer, aposto, conhececem e conheçam os seus elmentos e apesar das evidências, nomedamente o facto de o BCE os ter mandado estudar.

Gostava de saber como, quando e onde tiveram a oportunidade de avaliar as competências profissionais dos tipos.

Mais, vir hoje da banca não é currículo, é cadastro.

Note-se que mesmo o BPI só tem apresentado lucros com o contributo de Angola (imagino o rigor das contas).

JCG Há 3 dias

Arranjar uma tão boa como a anterior creio que não será difícil.
Um gestor subalterno, de 2ª linha, mais uma data de rapazes por ele escolhidos alguns dos quais nunca geriram nada nem tinha currículo básico suficiente (é por isso que o BCE os mandou estudar).

PARA O PSD 1º. ESTÁ O PARTIDO, DEPOIS PORTUGAL Há 3 dias

Disse uma notícia: DBRS AMEAÇA COLOCAR RATING DA CAIXA EM 'LIXO'
Ai está, em todo o esplendor , o fruto que o PSD pretendia colher com a sua sórdida guerrilha contra a CGD
Porquê ?
Simples: INVIABILIZAR A RECAPITALIZAÇÃO COM FUNDOS PÚBLICOS PARA OBRIGAR A CGD A ABRIR-SE A CAPITAIS PRIVADOS

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub