Desporto Sporting afirma que mantém maioria da SAD após aumento de capital

Sporting afirma que mantém maioria da SAD após aumento de capital

O Sporting assegurou esta terça-feira que vai manter a maioria de capital da SAD gestora do futebol profissional após o aumento de capital e conversão de VMOC, embora a sua participação se reduza de 64% para perto de 50.
Sporting afirma que mantém maioria da SAD após aumento de capital
Miguel Baltazar
Lusa 22 de Novembro de 2016 às 18:06

"A entrada dos novos investidores de 18 milhões de euros (ME) será feita por aumento de capital. Assim haverá uma redução das participações percentuais dos atuais accionistas que, mantendo o mesmo valor absoluto de um capital social maior, vêem as suas participações percentuais reduzirem-se", lê-se em comunicado do Sporting.

 

Com o aumento de capital para 85 milhões de euros, no âmbito das operações associadas à reestruturação financeira aprovada em Junho de 2013 em assembleia geral, o Sporting diz que "passará a deter 50,4% correspondentes a 42,8 milhões de euros" e dá também o exemplo a Holdimo, do empresário angolano Álvaro Sobrinho, cuja participação de 20 milhões de euros, representativa de 29,9% do capital actual, passará a valer 23,5% com o aumento.

 

"Após a conversão final das VMOCs [Valores Mobiliários Obrigatoriamente Convertíveis em acções], e considerando as restantes operações já aprovadas e contempladas na reestruturação financeira acordada com os bancos, o Sporting deterá 50,1% [da SAD], que corresponde a 137,8 milhões de euros de 275 milhões de euros", acrescenta o comunicado.

 

O clube acrescenta que tem "um acordo com os novos investidores que lhe permite encontrar um parceiro com vista a potenciar o negócio e a projecção da Sporting SAD, e que substitua os novos investidores numa situação que seja vantajosa para o Grupo Sporting".




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Ze de Fare Há 2 semanas

Como é possível uma notícia de 2013 ser notícia em 2017.

Tudo isto já estava acordado na reestruturação financeira.
Bancos, acionistas, novos investidores, associados, todos sabiam o que estava acordado.
Só os mal intencionados é que se espantam porque as intenções são outras.

Carlos Pinto Há 2 semanas

Mas os impostos dos portugueses é para sustentar clubes de futebol? o Estado (nós) injectamos 4,9 mil milhões no Novo Banco para agora andar a perdoar dívidas a clubes? Haja decência!

pub