Empresas Autoridade do Desporto dos EUA pede protecção contra credores

Autoridade do Desporto dos EUA pede protecção contra credores

Howard Davidowitz, chairman da Davidowitz & Associates, e Brian Belski, estratega na BMO, analisam o pedido da retalhista norte-americana Sports Authority de protecção contra credores, bem como o potencial de haver outras solicitações semelhantes neste sector nos EUA.
A carregar o vídeo ...
Bloomberg TV 03 de março de 2016 às 01:19

A cadeia norte-americana de produtos desportivos Sports Authority pediu protecção contra credores, ao abrigo do Capítulo 11 da lei de falências dos Estados Unidos, que permite que a empresa tente reestruturar-se sem a pressão dos credores.

 

A retalhista – que é propriedade da empresa de "private equity" Green & Partners, sediada em Los Angeles – anunciou, citada pelo USA Today, que tentará vender ou encerrar cerca de 140 estabelecimentos, o que corresponde a cerca de um terço das suas lojas.

 

A Sports Authority admitiu, segundo a mesma fonte, ter perdido quota de mercado em prol das retalhistas online, estando atolada em dívidas que ascendem a 1,1 mil milhões de dólares.

 

Além disso, sublinha o USA Today, a cadeia norte-americana não conseguiu acompanhar as tendências dos consumidores, tal como, por exemplo, a perda de popularidade do golfe.

 

"Apesar de a protecção contra credores dar muitas vezes às empresas uma segunda oportunidade de vida, a sobrevivência da Sports Authority não está garantida", refere o jornal norte-americano, acrescentando que a retalhista irá tentar avançar com um vasto plano de reestruturação da dívida – que, a falhar, poderá levar à venda de todos ou parte dos seus activos.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
José 03.03.2016

Este título é ridículo.
Vejam lá se tem consciência do que andam a publicar.

pub