Start-ups Startup Angra ambiciona também ser internacional

Startup Angra ambiciona também ser internacional

A Startup Angra nasceu para ajudar a dar resposta a um dos desafios que o concelho de Angra do Heroísmo enfrenta: a fixação de pessoas. A incubadora de empresas não quer apenas apoiar projectos locais mas ambiciona atravessar o mar.
Startup Angra ambiciona também ser internacional
Ana Laranjeiro 07 de julho de 2017 às 18:41

O turismo é um sector com uma expressão crescente nas ilhas açorianas. A Terceira não é excepção. A organização da oferta turística não era, contudo, a melhor. Pelo menos, assim pensa Sérgio Cota. Por isso, decidiu lançar-se na aventura de criar uma start-up que congrega vários serviços para os turistas, a Azores Touch. Foi precisamente esta a primeira empresa a ser incubada na Startup Angra, cujas novas instalações foram inauguradas esta sexta-feira, 7 de Julho.

 

Localizada na antiga casa do capitão do donatário, "provavelmente um dos edifícios com mais história desta cidade" defendeu José Álamo de Meneses, autarca de Angra do Heroísmo, o edifício foi restaurado para acolher empreendedores. "O que vai aqui funcionar é uma incubadora de empresas, e que se espera que seja parte de um rede mais alargada de serviços que visam alterar a forma como encaramos o empreendedorismo", disse o presidente da Câmara, durante a inauguração das novas instalações da incubadora, que nasceu no início do ano mas que esteve até aqui em instalações provisórias. Álamo de Meneses assume que o grande desafio que o concelho enfrenta actualmente é a fixação de pessoas "em particular fixar pessoas qualificadas que possam dar sustentabilidade à nossa economia e demografia".

 

Numa altura em que a presença militar norte-americana na base das Lajes (que pertence ao concelho da Praia da Vitória) é muito reduzida quando comparada com o passado, a viragem para o empreendedorismo pode ser vista como uma forma da economia local dar à situação. "Estamos imbuídos no espírito empreendedor e acaba por ser uma resposta porque o tecido empresarial local ressentiu-se muito" com a saída de muitos norte-americanos da ilha, conta Fábio Santos, director-executivo da Startup Angra. "Enquanto tínhamos a ocupação americana as coisas estavam estagnadas. Os negócios não evoluíam. Agora, mesmo empresários mais velhos acabam por ter algumas dificuldades. O que é interessante é que mesmo essas pessoas procuram as incubadoras não só no âmbito de workshops, mas no âmbito de alguma mentoria", para perceberem como podem inovar.

 

Apesar de estarem atentos aos projectos locais, a Startup Angra ambiciona também ser internacional e captar empreendedores de outros locais, nomeadamente do continente. "Alguns dos projectos que têm aparecido têm um cariz turístico, mas também [temos projectos com] escala, para poderem ir para outros mercados. Dessa forma não somos só uma incubadora de base local, mas somos uma incubadora que, embora tenha aqui a sua base, com as nossas parcerias queremos ser mais internacionais".

 

Além do turismo, nesta infra-estrutura podem estar incubados projectos (quer fisicamente quer virtualmente) de áreas como o agrobusiness (a maior indústria dos Açores), energias renováveis e tecnologia.

 

Da reabilitação à gestão do alojamento local

Sérgio Cota, que há muito geria os negócios da família, há alguns meses decidiu reabilitar uma casa que tinha para a disponibilizar em alojamento local. Rápido percebeu que os custos de ter apenas uma não lhe compensavam. Aí, o espírito empreendedor, conta, falou mais alto e decidiu começar a geriu outras habitações que estavam a ser disponibilizada para este tipo de turismo. "Mas depois encontrei outra lacuna. As pessoas vêm para cá mas não só para dormir: alugam carros e fazem actividades. Enveredei por essa área para conseguir oferecer tudo aos turistas: estadia, aluguer de carros. Tudo na mesma empresa. Isso veio facilitar a vida dos turistas", explica o líder da Azores Touch.

 

Estando a trabalhar desde o início do ano, a start-up conseguiu estabelecer várias parcerias com empresas locais que já se dedicavam a várias actividades (como a observação de cetáceos) para poder integrar vários numa só oferta. Além disso, criou actividades diferentes, como a promoção de jantar de turistas com famílias locais.

 

Ainda que a actividade seja ainda recente, os objectivos da empresa são claros: alargar a sua actividade às restantes ilhas do arquipélago.

 

*Jornalista viajou a convite da Startup Angra




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
Saber mais e Alertas
pub