Produtividade e Inovação Start-up de Musk quer captar 100 milhões para desenvolver "download de pensamentos"

Start-up de Musk quer captar 100 milhões para desenvolver "download de pensamentos"

Poucos detalhes são conhecidos sobre a Neuralink. O lacónico website da empresa afirma que a empresa está "a desenvolver interfaces cérebro-máquina de banda ultra-elevada para conectar humanos e computadores".
Start-up de Musk quer captar 100 milhões para desenvolver "download de pensamentos"
Reuters
Bloomberg 30 de agosto de 2017 às 18:07

A Neuralink, start-up co-fundada pelo bilionário Elon Musk, adoptou medidas para vender até 100 milhões de dólares em acções para financiar o desenvolvimento de uma tecnologia que liga cérebros humanos a computadores.

 

A empresa com sede em São Francisco já recebeu 27 milhões de dólares em financiamento, segundo a declaração à Comissão de Valores Mobiliários dos EUA (SEC, na sigla em inglês). Musk afirmou no Twitter, na sexta-feira, que a Neuralink não está à procura de investidores externos. Um porta-voz não respondeu às perguntas sobre a origem dos recursos.

  

Musk, de 46 anos, é CEO da Tesla e da Space Exploration Technologies e tem vários outros projectos de investigação e desenvolvimento, incluindo um empreendimento para perfuração de túneis para estradas e sistemas de transporte baseados em tubos, conhecidos como hyperloop, além de outro projecto para o desenvolvimento responsável de inteligência artificial.

 

Em Junho, Musk disse que a Neuralink é uma prioridade que vem depois dos compromissos muito mais exigentes das suas empresas de automóveis e foguetes espaciais. "A Boring consome, talvez, 2% do meu tempo; a Neuralink, 3% a 5% do meu tempo; a OpenAI terá uns 2%; e os mais de 90% restantes são divididos entre a SpaceX e a Tesla", disse Musk, na assembleia anual de accionistas da fabricante de automóveis eléctricos.

 

Poucos detalhes são conhecidos sobre a Neuralink. O lacónico website da empresa afirma que a empresa está "a desenvolver interfaces cérebro-máquina de banda ultra-elevada para conectar humanos e computadores". A empresa também está a recrutar engenheiros e cientistas para fazerem parte da iniciativa, também conhecida por "download de pensamentos".

 

"Não é necessária nenhuma experiência em neurociência: talento e motivação são muito mais importantes", afirma a empresa no site. "A nossa expectativa é que a maior parte de nossa equipa venha de outras áreas e sectores."

 
Este artigo foi publicado originalmente na Bloomberg a 25 de Agosto.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub