Aviação Startup dos EUA recebe apoio para projecto de avião supersónico

Startup dos EUA recebe apoio para projecto de avião supersónico

Os voos em aviões supersónicos de passageiros, que acabaram há mais de uma década com o Concorde, receberam impulso da Japan Airlines, que decidiu investir 10 milhões de dólares na Boom Technology, uma startup do Colorado, nos EUA.
Startup dos EUA recebe apoio para projecto de avião supersónico
Bloomberg 09 de dezembro de 2017 às 18:00

A Japan Air também adquiriu uma opção de compra de até 20 dos aviões que a Boom está a desenvolver, revelaram as duas empresas. A companhia aérea asiática é a segunda empresa a anunciar a intenção de adquirir o avião supersónico da Boom, depois da Virgin Atlantic, pertencente ao bilionário Richard Branson, o ter feito.

 

A Boom pretende construir um avião com entre 45 e 55 assentos que voa a uma velocidade Mach 2,2 (cerca de 2.335 quilómetros por hora) – capaz de transportar passageiros de Nova Iorque a Londres em cerca de três horas. O Concorde, operado pela British Airways e pela Air France, foi reformado em 2003 após quase três décadas em actividade porque os clientes abandonaram estes jactos devido aos altos custos operacionais.

 

"É um sinal para o resto do ecossistema de que o interesse dos clientes por este avião é real", disse o CEO da Boom, Blake Scholl, em entrevista. A empresa está bem capitalizada, mas "o investimento não tem a ver com o dinheiro, e sim com o simbolismo e o significado do dinheiro" para o sector de aviação.

 

Projectos

O avião, que deve começar a operar em meados da próxima década, terá uma autonomia de 4.500 milhas náuticas (8.334 quilómetros), mais ou menos o equivalente à distância entre Pequim e Londres.

 

A fabricante de aviões ainda está a estudar onde montará o seu modelo supersónico. A empresa planeia publicar no primeiro trimestre um pedido de propostas para a sua fábrica, que criará "milhares de empregos", segundo Scholl. A Boom escolherá um lugar no fim do próximo ano, e provavelmente as instalações estarão prontas no fim de 2019 ou 2020.

 

A Boom, que afirma que um voo de São Francisco a Tóquio poderá ser realizado em cinco horas e meia, já fechou um acordo com a Spaceship, a divisão de fabrico da Virgin Galactic, para usar os serviços de engenharia, design e apoio para testes de voo da empresa.

 

Concorde

 

No Concorde, passageiros com dinheiro podiam atravessar o Atlântico ao dobro da velocidade do som entre 1976 e 2003. Depois de o jacto supersónico ter sido aposentado por causa dos custos e das reclamações do barulho, a General Electric, a Lockheed Martin, a Nasa e algumas startups, entre elas a Boom, passaram a estudar novos designs e tecnologias que poderiam ressuscitar os voos supersónicos comerciais.

 

Em Novembro, a Boom contratou Bill James, ex-executivo da Airbus que dirigiu o design das asas do superjumbo A380 como vice-presidente de operações de produção. A empresa tem negociando a venda do avião com cerca de 20 companhias aéreas.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
pub