Transportes STCP aprova contas de 2016

STCP aprova contas de 2016

A assembleia geral da empresa de transporte público do Porto aprovou esta quarta-feira os resultados de 2016, ano em que a STCP diminuiu os prejuízos para 26,8 milhões e a dívida remunerada para 370 milhões.
STCP aprova contas de 2016
José Rebelo/Correio da Manhã
Negócios 12 de julho de 2017 às 18:45

A STCP aprovou esta quarta-feira, em assembleia geral, as contas de 2016, ano em que registou uma melhoria dos resultados operacionais em 42% e uma redução dos prejuízos.


A assembleia geral da STCP tinha sido suspensa a 30 de Maio por proposta do accionista único, o Estado, segundo adiantou então a empresa em comunicado à CMVM. A reunião foi retomada esta quarta-feira, tendo as contas de 2016 sido aprovadas.

Em comunicado, a STCP salienta que encerrou o ano passado com um total de 69,4 milhões de clientes transportados, um acréscimo de 200 mil passageiros face ao ano anterior.

"Esta é a primeira vez em seis anos que a empresa regista um crescimento da procura, com um aumento de 0,3%, invertendo uma tendência negativa, recuperando a confiança dos clientes e voltando a ganhar quota de mercado", sublinha a empresa de transporte público do Porto.

Em 2016, a receita aumentou 1% face a 2015, para 42,7 milhões de euros, enquanto os custos operacionais foram reduzidos em 2,2%, para os 47,7 milhões de euros.

Os resultados operacionais, de acordo com o relatório e contas, apresentaram uma melhoria de 42%, para os 12,3 milhões de euros negativos.

Já nos resultados líquidos houve um desagravamento de 4,8 milhões de euros face ao ano anterior, com as perdas a somarem 26,8 milhões de euros (uma melhoria de 15%).

A dívida remunerada da STCP terminou o ano com uma diminuição de 13% quando comparada com o período homólogo, cifrando-se agora em cerca de 370 milhões de euros.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar