Transportes STCP reduz prejuízos para 26,8 milhões em 2016

STCP reduz prejuízos para 26,8 milhões em 2016

A STCP reduziu as suas perdas em 4,8 milhões de euros no ano passado, num período em que o corte de custos justificou a melhoria dos resultados.
STCP reduz prejuízos para 26,8 milhões em 2016
Paulo Duarte
Sara Antunes 16 de maio de 2017 às 09:15

A STCP fechou o ano passado com um prejuízo de 26,8 milhões de euros, menos 4,8 milhões do que os 31,6 milhões registados em 2015, revelou a empresa através de um comunicado emitido para a Comissão do Mercado de Valores mobiliários (CMVM) ainda na segunda-feira, 15 de Maio.

 

Este é o segundo ano consecutivo de redução de prejuízos. Depois de, em 2014, os resultados negativos terem disparado para 54,8 milhões de euros a empresa de transportes tem vindo a reduzir as perdas.

 

A STCP realça que, excluindo os swaps, o resultado líquido seria de -17,6 milhões de euros. Ou seja, os prejuízos seriam menores e a redução das perdas face a 2015 seria maior (9,2 milhões). Em causa estão contratos swaps celebrados entre a STCP e o Santander Totta, os únicos que ainda não tinham sido resolvidos.

 

Contudo em Abril, o Governo e o banco chegaram a acordo para pôr fim aos processos judiciais entre o Estado e o Santander Totta referentes a contratos swaps celebrados com empresas públicas de transportes, onde se incluía a STCP. O Estado aponta para uma factura de cerca de 1,2 mil milhões de euros, depois de descontar o efeito positivo de um empréstimo a 15 anos, a uma taxa de juro reduzida, a ser concedido pelo Santander. O banco espanhol, por seu lado, contando com os juros que receberá deste crédito e a receita dos "swaps" poderá encaixar mais de 2,5 mil milhões. Os valores não são definitivos, pois o acordo fecha o diferendo, mas deixa vivos os polémicos contratos. 

 

Os resultados operacionais melhoraram em mais de oito milhões de euros, ainda que continuem negativos (-12,3 milhões), muito devido ao corte de custos. Os gastos operacionais diminuíram em 14%.

 

Já as receitas de transportes aumentaram 1% para um total de 42,7 milhões de euros, "em linha com o crescimento da procura, sendo de notar que em 2016 não se verificou qualquer aumento de tarifas de transporte", revela a empresa no comunicado emitido. 


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
}
pub