Agricultura e Pescas Suecos reforçam produção de ervas aromáticas em Portugal

Suecos reforçam produção de ervas aromáticas em Portugal

O grupo Spisa vai mais do que duplicar a produção da Aromáticas Vivas, dirigida pelo “deputado Limiano” Daniel Campelo em Viana do Castelo, e estuda terceira unidade em solo nacional para aumentar a quota em Espanha.
Suecos reforçam produção de ervas aromáticas em Portugal
Paulo Duarte
António Larguesa 18 de abril de 2017 às 22:00
O grupo sueco Spisa, que contratou Daniel Campelo para voltar "à terra" depois de despir o fato de governante, prepara-se para reforçar a produção de ervas aromáticas em Portugal, adiantou ao Negócios o histórico autarca de Ponte de Lima, que no início do século ficou conhecido como "deputado Limiano" por ter ajudado a aprovar dois orçamentos do Governo de Guterres.

Além da Aromáticas Vivas, a unidade de Viana do Castelo gerida pelo ex-dirigente do CDS, a maior empresa europeia de ervas aromáticas em vaso detém também a Fresh Cut, em Tavira. Depois de iniciar há três anos a operação algarvia, a mais recente e que abastece também o mercado inglês, os nórdicos têm uma terceira unidade "em estudo", para avançar em dois anos.

Com o objectivo de aumentar a quota no mercado espanhol, onde "há ainda muito para crescer", a nova estrutura vai produzir ervas aromáticas em vaso e cortadas. Daniel Campelo justificou que "em Portugal a escala não é atractiva para ter estas actividades completamente separadas e os clientes também querem as duas coisas".

A localização não está definida, mas o projecto avançará "sempre em complemento" com as unidades já existentes no país, pois há "grandes vantagens [para o grupo] em ter estratégias de Verão e Inverno". "No Algarve é difícil fazer ervas de Verão, não resistem a grandes temperaturas. Mas produz no Inverno com menos custos de energia. Temos de aproveitar a natureza para baixar custos de produção", frisou.

Produzir para expandir

No Alto Minho já está a avançar um investimento de dois milhões de euros para aumentar em cinco hectares a área de produção da Aromáticas Vivas, actualmente limitada a dois hectares na freguesia de Carreço. É ali que a Spisa tem a principal operação do país, com vendas de três milhões de euros e capacidade anual para cinco milhões de plantas em vaso e mais dois milhões de unidades em ervas cortadas. Espanha absorve 40% da produção.

Com estes investimentos, o grupo, que está também na Polónia, Reino Unido e República Checa, prevê "disparar" a produção em Portugal, em particular nas ervas cortadas, admitindo passar a vender por grosso a embaladores na Europa, deficitária no segmento. Porém, avisa, para entrar nesses clientes é preciso investir em "áreas de produção adequadas". 

"Diferenciamo-nos por sermos produtores. Não somos nem queremos ser controlados por comerciantes de ervas. Temos de ponderar seriamente criar mais áreas próprias. Só depois podemos pensar em novos mercados", insistiu o homem que tutelou as áreas rurais entre 2011 e 2014. Há um ano e meio passou a liderar esta unidade, que tem como sócios locais uma organização de produtores da Póvoa de Varzim (PAM) e um sírio radicado em Portugal, Ziad Albarazi, que antes de 2009 produzia flores naquele mesmo espaço.

Insectos e ácaros já são negócio

É numa pequena arrecadação, junto às estufas onde crescem os vasos de ervas, que a Aromáticas Vivas produz os insectos e os ácaros que utiliza para prevenir as pragas e as doenças e que lhe permitem ter uma produção livre de pesticidas químicos e a certificação biológica. Apontando-o como "uma grande mais-valia para que o negócio não vá à ruína", Daniel Campelo calcula que a empresa gasta por mês cerca de 11 mil euros com este processo de controlo através de agentes biológicos, tendo a parceria de uma firma dinamarquesa com quem está a desenvolver novos projectos para expandir a produção e oferta destes pesticidas biológicos.

Para a empresa minhota, que produz mais de 20 variedades de ervas aromáticas e emprega 42 pessoas, os insectos e ácaros "começam a ser negócio". Começou por produzi-los apenas para aplicar nos seus terrenos, mas já fornece para as outras unidades do grupo na Suécia, Inglaterra, República Checa e Polónia.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 1 semana

Se fosse ex-deputado do Bloco de Esquerda ou do PCP, seria notícia. Esses só servem para defender o excedentarismo de carreira sindicalizado e atacar o capital espantando o melhor e mais adequado talento e investimento que estiver disponível no mercado global.

comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

Se fosse ex-deputado do Bloco de Esquerda ou do PCP, seria notícia. Esses só servem para defender o excedentarismo de carreira sindicalizado e atacar o capital espantando o melhor e mais adequado talento e investimento que estiver disponível no mercado global.

Anónimo Há 1 semana

Ate' me admira este talento ter sobrevivido em Portugal aos regimens canhotos; geralmente quando aparece alguem com este talento, perceguem-no ; e tem de emigrar.

pub
pub
pub
pub