Web Summit Sul-coreanos piscam o olho a robô da Delta

Sul-coreanos piscam o olho a robô da Delta

A nova versão do robô da Delta, que serve cafés e sobremesas, já chamou a atenção de investidores estrangeiros. O objectivo da empresa é ter seis robôs em restaurantes portugueses ainda este ano.
Sul-coreanos piscam o olho a robô da Delta
Bruno Simão/Negócios
Sara Ribeiro 08 de novembro de 2017 às 19:13

Imagine que está num restaurante e, quando acaba a refeição, a sobremesa e o café são servidos por um robô. Este cenário vai ser real em Portugal até ao final deste ano. A solução foi desenvolvida pela Delta, em parceria com a start-up portuguesa Follow Inspiration, e tem despertado a atenção de vários visitantes do Web Summit, incluindo de investidores estrangeiros.

 

Há um ano, no mesmo palco, a Delta apresentou a primeira versão do robô. Ao longo do últimos doze meses, a tecnologia foi sendo aperfeiçoada e o robô "deixou de ser um mostruário de café para passar a ser um ponto de serviço de café para a restauração", contou ao Negócios Rui Miguel Nabeiro, administrador do Grupo Delta Cafés.

 

O novo modelo tem uma zona, na retaguarda do robô, que permite colocar, por exemplo, sobremesas. "Além disso, quisemos ser arrojados e ainda instalámos o novo sistema de extracção de café a que chamamos Rise" que, na prática, serve "o café de forma inversa, a partir do fundo da chávena", detalhou o gestor.

 

O robô tem chamado a atenção de vários visitantes, até "já aqui tivemos investidores sul-coreanos que queriam comprar as patentes", revelou Rui Miguel Nabeiro.

 

Questionado sobre o interesse da empresa em vender as cinco patentes incluídas no desenvolvimento do robô, o responsável comentou que "neste ambiente não dá para conversar, mas o nosso negócio é vender café e acreditamos ter aqui uma vantagem competitiva muito forte".

 

Actualmente, a Delta tem seis robôs totalmente operacionais, que visualmente têm parecenças a uma mesa com rodas. O objectivo é até ao final do ano disponibilizá-los a alguns clientes da restauração. Os locais concretos ainda não estão definidos: "Estamos em conversações com alguns clientes.

 

Olhando para o futuro, a Delta não exclui desenvolver mais robôs no próximo ano. Mas "neste momento, queremos receber feedback de clientes para ver como as coisas correm para afinarmos o modelo e metê-lo a funcionar", apontou.

 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 1 semana

Enquanto as associações sindicais de malfeitores, muito abundantes e populares em Portugal, não deixarem que se implemente a tecnologia disponível, a inteligência artificial e a robótica desenvolvidas por pessoas esforçadas, visionárias e talentosas, desde inovadores a investidores passando por empreendedores, nem por artes mágicas aparecem. Repito, nem por artes mágicas! Esse é o problema subjacente à chamada crise. E acarreta custos enormes. Mas o mercado já nem se importa. É para avançar. E não é com a ajuda de banquetas. Essas só empatam e agravam o problema.

comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

Enquanto as associações sindicais de malfeitores, muito abundantes e populares em Portugal, não deixarem que se implemente a tecnologia disponível, a inteligência artificial e a robótica desenvolvidas por pessoas esforçadas, visionárias e talentosas, desde inovadores a investidores passando por empreendedores, nem por artes mágicas aparecem. Repito, nem por artes mágicas! Esse é o problema subjacente à chamada crise. E acarreta custos enormes. Mas o mercado já nem se importa. É para avançar. E não é com a ajuda de banquetas. Essas só empatam e agravam o problema.

pub