Empresas Sumol + Compal aumenta lucros em 25%

Sumol + Compal aumenta lucros em 25%

O grupo português de refrigerantes, sumos e néctares registou lucros de 10,5 milhões em 2016 e um volume de negócios de 355,8 milhões.
Sumol + Compal aumenta lucros em 25%
Reuters
Carla Pedro 16 de março de 2017 às 18:36

A Sumol+Compal reportou um resultado consolidado (com os interesses controlados) de 10,5 milhões de euros no ano passado, o que correspondeu a um aumento de 24,7% face aos lucros de 2015.

 

Já as receitas ascenderam a 355,8 milhões de euros, mais 4,3% do que no ano precedente, refere a empresa no comunicado enviado à CMVM com a informação prévia dos seus resultados.

 

Por seu lado, o EBITDA (resultados antes de juros, impostos, depreciações e amortizações, no valor de 52,1 milhões de euros, representou um aumento de 20,5%.

 

Quanto aos resultados operacionais, aumentaram 26% face a 2015, para 36 milhões de euros.

 

Relativamente às perspectivas futuras, a empresa sublinha que "em Portugal, o mercado dos refrigerantes será negativamente afectado pela aplicação, a partir de 1 de Fevereiro, do Imposto Especial de Consumo às bebidas adicionadas de açúcar ou outros edulcorantes. Passam a existir dois escalões do imposto, 8,22 € ou 16,46 € por hectolitro, consoante o teor de açúcar da bebida. O impacto negativo será certamente significativo e mais forte nas vendas no canal alimentar, uma vez que nos estabelecimentos deste canal o preço médio por litro da bebida tende a ser bastante inferior ao preço médio por litro de bebida nos estabelecimentos do canal Horeca".

 

Tendo em conta que o mercado dos refrigerantes é o que tem maior peso, em valor, na categoria das bebidas refrescantes, e tendo em conta a importância daquele mercado para a Sumol+Compal, "entendemos não ser possível prever a evolução do volume de negócios em 2017, em Portugal", acrescenta.

 

A empresa diz ter a expectativa de "aumentar as vendas nos mercados internacionais", mas ressalva que esse crescimento "está muito dependente da evolução das vendas em Angola, o nosso principal mercado internacional".




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub