Comércio Sumol: Preços dos refrigerantes vão ter "aumentos significativos" devido à "fat tax"

Sumol: Preços dos refrigerantes vão ter "aumentos significativos" devido à "fat tax"

A Sumol + Compal alerta para a subida dos preços das bebidas açucaradas devido ao aumento dos impostos. O aviso é deixado num comunicado onde a empresa faz também o balanço deste ano, apontando para resultados melhores do que o previsto.
Sumol: Preços dos refrigerantes vão ter "aumentos significativos" devido à "fat tax"
Sara Antunes 29 de Novembro de 2016 às 18:39

"No próximo ano, em Portugal, a aplicação do Imposto Especial de Consumo às bebidas adicionadas de açúcar e outros edulcorantes (IABA) resultará inevitavelmente em aumentos significativos dos preços das bebidas refrescantes", refere a Sumol + Compal num comunicado emitido esta terça-feira, 29 de Novembro, em comunicado emitido para a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

 

No Orçamento do Estado para 2017, ficou determinado que o preço final das bebidas açucaradas vai aumentar de 15 a 30 cêntimos por cada garrafa de litro e meio.

 

"Antecipamos um impacto negativo no desempenho das nossas marcas daquela categoria de produtos, a qual representa cerca de 40% do nosso volume de negócios no mercado português", adianta a empresa.

 

A empresa adianta ainda que devido a incerteza gerada pelo "enorme incremento da fiscalidade aplicável às bebidas refrescantes em Portugal, onde realizamos cerca de 70% do nosso negócio, não nos é possível manter, nem tão pouco substituir, a perspectiva económico-financeira previsional de médio prazo".

 

Sumol + Compal vai fechar o ano com contas melhores do que o estimado

No mesmo comunicado, a empresa revela que os números deste ano vão superar as suas estimativas, essencialmente devido ao clima, já que as condições climatéricas foram melhores do que é habitual. Além disso, o consumo privado recuperou, o que também contribuiu para uma evolução mais positiva dos resultados.

 

Estes dois factores, conjugados com o aumento da quota de mercado e com, em Angola se ter verificado uma recuperação do ritmo de vendas, permitem "antever, em comparação com o ano anterior, um fecho do exercício de 2016 com um volume de negócios ligeiramente superior e um resultado operacional moderadamente superior".




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

Adaptem os produtos à nova legislação e às novas preocupações dos consumidores!

Anónimo Há 1 semana

Esta mal,eu direi mesmo muito mal:porque razao tenho eu que sou magro pagar um "fat tax"para aliviar as costelas ao GALPista e peixorca do mar?Aponte-se e dispare-se contra o animal apetecivel mas nao disparar as cegas em direcao ao publico.Sera dificil de ver com olhos de espreitar?

Anónimo Há 1 semana

Então mas os sumos da Compal têm açucar???
Para mim nem que aumentem ou diminuam 400% é-me perfeitamente igual. Vou deixar de consumi-los.
Sempre pensei que o néctar pêra era 100% free de açucar, completamente natural.
Assim, bebam-nos eles.

pub
pub
pub
pub