Comércio Sumol: Preços dos refrigerantes vão ter "aumentos significativos" devido à "fat tax"

Sumol: Preços dos refrigerantes vão ter "aumentos significativos" devido à "fat tax"

A Sumol + Compal alerta para a subida dos preços das bebidas açucaradas devido ao aumento dos impostos. O aviso é deixado num comunicado onde a empresa faz também o balanço deste ano, apontando para resultados melhores do que o previsto.
Sumol: Preços dos refrigerantes vão ter "aumentos significativos" devido à "fat tax"
Sara Antunes 29 de novembro de 2016 às 18:39

"No próximo ano, em Portugal, a aplicação do Imposto Especial de Consumo às bebidas adicionadas de açúcar e outros edulcorantes (IABA) resultará inevitavelmente em aumentos significativos dos preços das bebidas refrescantes", refere a Sumol + Compal num comunicado emitido esta terça-feira, 29 de Novembro, em comunicado emitido para a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

 

No Orçamento do Estado para 2017, ficou determinado que o preço final das bebidas açucaradas vai aumentar de 15 a 30 cêntimos por cada garrafa de litro e meio.

 

"Antecipamos um impacto negativo no desempenho das nossas marcas daquela categoria de produtos, a qual representa cerca de 40% do nosso volume de negócios no mercado português", adianta a empresa.

 

A empresa adianta ainda que devido a incerteza gerada pelo "enorme incremento da fiscalidade aplicável às bebidas refrescantes em Portugal, onde realizamos cerca de 70% do nosso negócio, não nos é possível manter, nem tão pouco substituir, a perspectiva económico-financeira previsional de médio prazo".

 

Sumol + Compal vai fechar o ano com contas melhores do que o estimado

No mesmo comunicado, a empresa revela que os números deste ano vão superar as suas estimativas, essencialmente devido ao clima, já que as condições climatéricas foram melhores do que é habitual. Além disso, o consumo privado recuperou, o que também contribuiu para uma evolução mais positiva dos resultados.

 

Estes dois factores, conjugados com o aumento da quota de mercado e com, em Angola se ter verificado uma recuperação do ritmo de vendas, permitem "antever, em comparação com o ano anterior, um fecho do exercício de 2016 com um volume de negócios ligeiramente superior e um resultado operacional moderadamente superior".




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 30.11.2016

Adaptem os produtos à nova legislação e às novas preocupações dos consumidores!

Anónimo 29.11.2016

Esta mal,eu direi mesmo muito mal:porque razao tenho eu que sou magro pagar um "fat tax"para aliviar as costelas ao GALPista e peixorca do mar?Aponte-se e dispare-se contra o animal apetecivel mas nao disparar as cegas em direcao ao publico.Sera dificil de ver com olhos de espreitar?

Anónimo 29.11.2016

Então mas os sumos da Compal têm açucar???
Para mim nem que aumentem ou diminuam 400% é-me perfeitamente igual. Vou deixar de consumi-los.
Sempre pensei que o néctar pêra era 100% free de açucar, completamente natural.
Assim, bebam-nos eles.

pub
pub
pub
pub