Banca & Finanças Supremo Tribunal condena Banco Popular Portugal por venda de obrigações a clientes

Supremo Tribunal condena Banco Popular Portugal por venda de obrigações a clientes

O Supremo Tribunal de Justiça confirmou a condenação ao Banco Popular por, enquanto intermediário financeiro, ter vendido a clientes obrigações de um banco islandês que viria a entrar em insolvência.
Supremo Tribunal condena Banco Popular Portugal por venda de obrigações a clientes
Bloomberg
Lusa 12 de abril de 2017 às 22:05

De acordo com a sociedade de advogados José Maria Calheiros e Associados, esta é a "primeira vez que, em Portugal, num caso de aplicações financeiras em obrigações, a Relação de Lisboa e o Supremo Tribunal de Justiça decidem condenar o banco que comercializou estes produtos financeiros a pagar uma indemnização aos clientes particulares lesados".

 

O Banco Popular tinha sido condenado em primeira instância e no Tribunal da Relação por violação dos deveres de informação e de proteção dos clientes, mas o banco (que pertence ao espanhol Popular) recorreu para o Supremo Tribunal de Justiça, que rejeitou o recurso.

 

Em sequência dessa decisão, o banco já procedeu ao pagamento das indemnizações aos três clientes, segundo os advogados.

 

Em causa estavam investimentos em obrigações emitidas pelo banco islandês Kaupthing que, segundo os clientes, o Banco Popular comercializou dizendo que era de capital garantido, mas cujo investimento foi perdido com entrada do banco islandês em processo de insolvência, na sequência da crise financeiras de 2007/2008.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub