Banca & Finanças Suspeita de gestão danosa na CGD sem arguidos
Assinatura Digital. Negócios Primeiro Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE

Suspeita de gestão danosa na CGD sem arguidos

Gestão danosa: este é um dos possíveis crimes para onde aponta o processo que corre no DCIAP, iniciado em Setembro, para olhar para factos relacionados com a CGD. Créditos a partir de 2007 e garantias concedidas estão no centro do inquérito.
Suspeita de gestão danosa na CGD sem arguidos
Tiago Sousa Dias/Correio da Manhã

O Ministério Público admite que a Caixa Geral de Depósitos (CGD) escondeu indícios de incumprimento de vários créditos por si concedidos. À alegada omissão "deliberada" de passivo do banco pú)

Assinatura Digital. Negócios Primeiro
Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
Análise, informação independente e rigorosa.
Para saber o que se passa em Portugal e no mundo,
nas empresas, nos mercados e na economia.
  • Inclui acesso ao ePaper, a versão do Negócios tal como é impresso em papel. Veja aqui.
  • Acesso ilimitado a todo o site negocios.pt
  • Acesso ilimitado via apps iPad, iPhone, Android e Windows
Saiba mais



A sua opinião12
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 1 semana

Sou obrigado a pagar através de comissões, contribuições e impostos o nível de vida passado, actual e futuro de 2200 assalariados da CGD que não são lá precisos para nada. O sindicato deles, o Sindicato Bancário do Sul e Ilhas (SBSI), já analisou os termos oferecidos pela Caixa Geral de Depósitos (CGD) no programa de “Revogações por Mútuo Acordo”, divulgado na última semana de Junho aos trabalhadores do grupo público. E a sentença é negativa: “As condições propostas aos trabalhadores ficam aquém das expectativas.” E agora pergunto eu, quem regula e supervisiona estas criaturas? As do escândalo CGD e de outros escândalos semelhantes. Há muitos casos destes nas organizações portuguesas. Tem sido o pão nosso de cada dia.

comentários mais recentes
Juca Há 1 semana

A investida social-comunista vai conduzir a que sejam os depositantes, os acumuladores capitalistas, que numa primeira fase irão contribuir com metade dos valores aplicados. Depois se a ganância não estiver satisfeita, comerão o resto. Como diz o Maduro: a bem do país!

Anónimo Há 1 semana

JÁ PERCEBI PORQUE ME VÃO AUMENTAR AS DSPESAS DE MANUTENÇÃO|

DÃO O DINHEIRO AOS AMIGOS E VÃO ESMIFRAR OS CLIENTES.
E O BANCO DE PORTUGAL O QUE FAZ COMO REGULADOR?

Anónimo Há 1 semana

Estas condições são para a força de trabalho da CGD, para quem trabalha a sério. A gestão danosa não é/foi feita por esses trabalhadores. Foi feita pelos Robalos e amigos que entraram sem passar pela casa de partida para cargos de Administradores para pagar em favores. Esses são os que dão prejuízo.

Anónimo Há 1 semana

Agora estou a lembrar-me de que aqui há uns anos passei à porta de uma filial da CGD., mas como não sou cliente, não entrei. Se calhar e sem que o saiba, a culpa da tal má gestão é minha. Peço perdão a quem, mesmo sem poder, ou querer, que são o meu caso, tem que que pagar.Tudo bem. Justiça fiscal.

ver mais comentários
Notícias só para Assinantes
Exclusivos, análise, informação independente e credível. Para saber o que se passa em Portugal e no mundo, nas empresas, nos mercados e na economia. Inclui acesso à versão ePaper.
Mais uma forma de ler as histórias
da edição impressa do Negócios.
Se ainda não é Assinante Saiba mais
pub
pub
pub
pub